Os movimentos sociais do campo e a Reforma Agrária do Consenso

Resumen

Este texto traz os resultados de uma pesquisa de pós-doutorado1 realizada na regional Extremo Sul da Bahia, que teve como objetivo de analisar a relação de parceria estabelecida entre os movimentos sociais do campo, o Estado e as empresas do agronegócio. Utilizamos a metodologia qualitativa de natureza exploratória, cujos instrumentos de coleta de dados foram análise de documentos e entrevistas semiestruturadas. O método para reflexão dos dados coletados foi o materialismo histórico dialético e os resultados apontaram que na região brasileira pesquisada está evidenciando uma nova estratégia de reforma agrária, a qual está sendo denominada de Reforma Agrária do Consenso.

Descargas

Los datos de descarga aún no están disponibles.

Citas

Bahia. (2014). Dados da região Extremo Sul da Bahia. Fonte: http://www1.saude.ba.gov.br/mapa_bahia/result_macro.asp?MACRO=EXTREMO%20SUL.

Barcellos, G. H. (2008). Desterritorialização e rexistência Tupiniquim: mulheres indígenas e o complexo agroindustrial da Aracruz Celulose. 2008, 424 f. Tese (Doutorado em Geografia)– Departamento de Geografia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Brasil. (1996). Lei Kandir. Lei Complementar nº 87, de 13 de setembro de 1996. Dispõe sobre o imposto dos Estados e do Distrito Federal sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LCP/Lcp87.html

Bezerra Neto, L. (1999). Sem Terra aprende e ensina: um estudo sobre as práticas educativas e formativas do Movimento dos Trabalhadores Rurais SemTerra. São Paulo: Autores Associados.

Bogdan, R. & Bilken, S. (1982). Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora.

Bogo, A. (2009). O MST e a cultura. São Paulo: MST.

Caldart, R. S. (2004). Pedagogia do Movimento Sem Terra. Petrópolis: Vozes.

Cardoso, F. H. & Faletto, E. (2004). Dependência e desenvolvimento na

América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Corrêa, A. E. C.(2015). O MST e a frente esquerda: o neodesenvolvimentismo em tempos de crise. VIII Colóquio Internacional Marx Engels – Cemarx / Unicamp

GT 5 - Relações de classe e lutas sociais no capitalismo contemporâneo. Campinas – SP.

Farias, L. F. C. (2013). Agronegócio e luta de classes: diferentes formas de subordinação do trabalho ao capital no complexo agroindustrial citrícola paulista. Dissertação de Mestrado. UNICAMP.

Fernandes, B. M. (2000). MST: formação e territorialização. São Paulo: HUCITEC.

Fíbria. (2014). Relatório de sustentabilidade. Fíbria Celulose S.A. Disponível em: http://www.fibria.com.br/relatorio2013/shared/relatorio-de-2013-firmes-no-rumo-7abr2014.pdf

Gohn, M. G. (1995). Movimentos e lutas sociais na história do Brasil, São Paulo: Loyola.

Hilsenbeck Filho, A. M. (2013). O MST no fio da navalha – dilemas, desafios e potencialidades da luta de classes. Tese de doutorado. Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. 2013.

Kautsky, K. (1968). A questão agrária. Rio de Janeiro: Laemert.

Kosik, K. (1997). Dialética do concreto. (6. ed.) São Paulo: Paz e Terra.

Ludke, M. & André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em Educação: Abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Malina, L. L.(2013). A territorialização do monopólio no setor celulístico-papeleiro: a atuação da Veracel Celulose no Extremo Sul da Bahia. 2013. 358 f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Marx, K. (2012). Grundisse: manuscritos econômicos de 1857-1858. Tradução Mauro Duayer. São Paulo: Boitempo.

Marx, K. (2004). Contribuição à crítica da economia política. Tradução de Florestan Fernandes. São Paulo: Expressão Popular. 

Marx, K. (2002). Manuscritos econômico-filosóficos. Tradução de Jesus Ranieri. São Paulo: Boitempo.

Mészáros, I. (2011). Para além do capital. Tradução Sérgio Lessa. São Paulo: Boitempo.

Movimento de Luta pela Terra. (2016). História do MLT. s/d. Disponível em: http://movimentodelutapelaterra.blogspot.com.br/p/historia-do-mlt.html.

OLIVEIRA, A. J. (2010). O que significa agronegócio? Disponível em: http://www.seea.org.br/artigojoseadilson2.php.

Passa Palavra. (2012). O MST e a reforma agrária. 23 set. 2012. Disponível em: http://www.passapalavra.info/2012/09/64686 .

Pinassi, M. O. (2014). (Neo) Desenvolvimentismo ou luta de classes? VIOMUNDO, 11 jan. 2014. Disponível em: http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/maria-orlanda-pinassi-neodesenvolvimentismo-ou-luta-de-classes.html

Pinassi, M. O. (2009). O lulismo, os movimentos sociais no Brasil e o lugar social da política. Revista Herramienta, Buenos Aires.

Sampaio Jr., P. A.(2012). Desenvolvimentismo e neodesenvolvimentismo: tragédia e farsa. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 112, p. 672-688, out./dez. 2012.

Santos, A. R. (2013).Ocupar, resistir e produzir também na educação. O MST e a burocracia estatal: negação e consenso – 2013. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, 2013. 390f.

Santos, A. R. dos ; Santos, I. T. R. dos. A Via Campesina em busca da soberania alimentar: perspectivas e desafios. (2015). Anais do II Simpósio de Direito Internacional da UFC, Fortaleza – CE, 04 a 06/11 de 2015.

Stédile, J. P. (Org.). (2013). A Questão Agrária no Brasil vol. 7. São Paulo: Expressão Popular.

Trindade, V. ; Fazenda, I. (Org). (2001). Os lugares dos sujeitos na pesquisa educacional. 2. ed. Campo Grande: UFMS.

Veracel Celulose (2013). Relatório de sustentabilidade 2013. Eunápolis: Veracel Celulose. Disponível em: http://www.veracel.com.br/default.aspx?tabid=80
Publicado
Aug 21, 2017
Cómo citar
Ramos dos Santos, A. (2017). Os movimentos sociais do campo e a Reforma Agrária do Consenso. Mundo Agrario, 18(38), e058. doi:10.24215/15155994e058
Sección
Artículos

Palabras clave

AGRONEGÓCIO; MOVIMENTOS SOCIAIS DO CAMPO; REFORMA AGRÁRIA DO CONSENSO