Conflitos e Desafios de populações tradicionais na Amazônia brasileira: o caso da Reserva Extrativista do Extremo Norte do Estado do Tocantins

  • Dayane Rouse Neves Sousa
  • Marcelo Leles Romarco de Oliveira

Resumen

Este artigo analisa os conflitos ocasionados em virtude do processo de criação da Resex do Extremo Norte até o ano de 2015. A metodologia escolhida foi o estudo de caso, com informações coletadas por meio de documentos escritos e entrevistas. Os resultados indicam que, passados 24 anos de existência da Resex do Extremo Norte, as famílias ainda não moravam dentro da área desta Unidade de Conservação, mas em comunidades do entorno, o que tem contribuído para a intensificação na disputa pelos recursos contidos em tal território e nos conflitos entre população tradicional e fazendeiros.

Descargas

Los datos de descarga aún no están disponibles.

Citas

Behr, M. V. (1995). Reservas Extrativistas do Extremo Norte do Estado do Tocantins, da Mata Grande e do Ciriaco. J. R. Murrieta e M. P. Ruenda, (orgs.). Reservas Extrativistas (pp. 105-115). Gland, Suíça, Cambridge e Reino Unido: União Mundial para a Conservação.

Brasil (1992). Decreto no 535. Cria a Reserva Extrativista do Extremo Norte do Estado do Tocantins. Disponível em http://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/113512/decreto-535-92

Brasil (1990). Decreto no 98.897. Dispõe sobre as Reservas Extrativistas e dá outras providências. Disponível em http://www.senado.gov.br

Bourdieu, P. (1998). O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Castilho, M. W. V. de (2009). Documento Final da Caracterização da Reserva Extrativista do Extremo Norte do Tocantins. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, Brasil.

Dias, L. de O. (2005). Mulheres de fibra: as estratégias das quebradeiras de coco no Tocantins como um marco empírico para o desenvolvimento sustentável (Tese de Mestrado Inédita). Mestrado em Ciências do Ambiente. Universidade Federal do Tocantins, Palmas.

Kotscho, R. (1981). O massacre dos posseiros: conflito de terras no Araguaia-Tocantins. São Paulo: Brasiliense.

Martins, J. de S. (1981). Prefácio. Kotscho, R. O massacre dos posseiros: conflito de terras no Araguaia-Tocantins. São Paulo: Brasiliense.

Martins, J. de S. (1991). Expropriação e violência: a questão política no campo. (3ª ed.). São Paulo: Hucitec.

Nascimento, D. T e Bursztyn, M. A. A. (2010). Análise de conflitos socioambientais: atividades minerarias em comunidades rurais e Áreas de Proteção Ambiental (APA). Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente, 22, 65-82.

Pereira, A. dos R. (2010). Conflitos de terra e violência no sul do Pará (1975-1990). Em X Encontro Nacional de História Oral. Anais... Recife, PE, 26 a 30 de abril de 2010.

Santos, J. V. T dos (2002). Violências, América Latina: a disseminação de formas de violência e os estudos sobre conflitualidades. Sociologias, 8, 16-32.

UFV/ICMBio. (2014). Apoio ao processo de identificação das famílias beneficiárias e diagnóstico socioprodutivo em Unidades de Conservação Federais (1a ed.). Viçosa-Brasília.

Yohannes, L. (2013). The evolving importance of babassu (Attaleaspeciosa) to the livelihoods of the extractivist communities of Extremo Norte Extractive Reserve, Brazil (Unpublished Master's Thesis). University of Maryland, Baltimore, EUA.
Publicado
Aug 21, 2017
Cómo citar
Sousa, D., & Oliveira, M. (2017). Conflitos e Desafios de populações tradicionais na Amazônia brasileira: o caso da Reserva Extrativista do Extremo Norte do Estado do Tocantins. Mundo Agrario, 18(38), e062. doi:10.24215/15155994e062
Sección
Comunicaciones

Palabras clave

babaçu, conflito, população tradicional, reserva extrativista