A questão socioambiental e o sindicalismo rural em Pernambuco – Brasil

  • Tarcisio Augusto Alves Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Ciências Sociais Pós-graduação em Administração e Desenvolvimento Rural http://orcid.org/0000-0003-2956-3512
  • Luiz Felipe Soares

Resumen

O texto discute dados de uma investigação realizada junto a Fetape (Federação dos Trabalhadores da Agricultura do Estado de Pernambuco) a fim de entender como as preocupações ambientais têm sido incorporadas a luta sindical. As informações foram obtidas por meio de pesquisa bibliográfica, análise documental de anais de congressos realizados pela federação, panfletos, reportagens publicadas em jornais, pautas de reivindicações, campanhas salariais e dissídios coletivos. Entrevistas semiestruturadas foram realizadas com assessores, diretores e coordenadores da organização nas pastas mais diretamente relacionadas à temática aqui explorada. Os resultados do estudo indicam que as ações ambientais da federação tem priorizado as condições de trabalho do pequeno agricultor e secundarizado a realidade dos trabalhadores rurais assalariados vinculados às usinas e engenhos de cana de açúcar.

Palavras-chave: Ambientalização. Ação sindical. Sindicalismo rural.

Descargas

Los datos de descarga aún no están disponibles.

Biografía del autor

Tarcisio Augusto Alves Silva, Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Ciências Sociais Pós-graduação em Administração e Desenvolvimento Rural
 Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (2001), mestrado em Serviço Social pela Universidade Federal de Pernambuco (2004) e doutorado em Sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco (2010). Atualmente é professor adjunto II da Universidade Federal Rural de Pernambuco. Tem experiência na área de Sociologia, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, juventude, meio ambiente, sindicalismo rural e desenvolvimento rural.

Citas

Abramovay, R. (1998). Agricultura familiar e desenvolvimento territorial. Relatório de consultoria. IICA. Projeto: Bases para a formulação da política brasileira de desenvolvimento rural. Mimeo. Brasília.

Andrade, M. C. de. (1998). A terra e o homem do Nordeste: contribuição ao estudo da questão agrária no Nordeste (1963). 6ª ed. Recife: UFPE.

Boito JR., A. (1991). Sindicalismo de Estado no Brasil – uma análise crítica da estrutura sindical. Campinas: Unicamp; São Paulo: HUCITEC.

Bourdieu, P. (1996). Razões práticas sobre a teoria da ação. São Paulo: Papirus.

Bourdieu, P. (2005). A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva.

Carvalho, I. C. de M. (S/D). Sujeito ecológico: a dimensão subjetiva da ecologia. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me4655.pdf.

Delgado, M. B. G. y Lopes, M. M. (1992). Mulheres trabalhadoras e meio ambiente: um olhar feminista no sindicalismo, Estudos Feministas, ano 0, segundo semestre. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/15809/14301.

DIEESE/MDA (2007). Estudo sobre as convenções coletivas da categoria canavieira: São Paulo, Goiás e Pernambuco, 1989-2005. Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural (NEAD Estudos; 17). Brasília: MDA; São Paulo: DIEESE.

Fetape – Federação de trabalhadores na agricultura no estado de Pernambuco.(s/d.) Reestruturação econômica na Zona da Mata de Pernambuco e seus impactos na atuação sindical. Recife

Gerhardt, C. H. y Almeida, J. (2005). A dialética dos campos sociais na interpretação da problemática ambiental: uma análise crítica a partir de diferentes leituras sobre os problemas ambientais, Ambient. soc. [online], vol.8, n.2, 53-84.

Leff, E. (2006). Racionalidade ambiental: a reapropriação social da natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Leite, S; Heredia, B. y Medeiros, L. (2004). Impactos dos assentamentos: um estudo sobre o meio rural brasileiro. Brasília: IICCA: NEAD; São Paulo: Editora UNESP.

L’Estoile, B. de. y Sigaud, L. (2006). Ocupações de terra e transformações sociais: uma experiência etnográfica coletiva. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Lima, M. do S. de A. (2005). Construindo o sindicalismo rural – lutas, partidos, projetos. Recife: Editora da UFPE: Editora Oito de Março.

Malagodi, E. (2004). O sindicato rural e seus parceiros: notas sobre um processo de mudança. Em Wanderley, Maria de N. B. (Org.) (2004). Globalização e desenvolvimento sustentável: dinâmicas sociais rurais no Nordeste brasileiro (pp. 161-171) São Paulo: Polis; Campinas, CERES – Centro de Estudos Rurais do IFCH Unicamp.

Malagodi, E. y Bastos, V. de S. (2003). Sindicato de trabalhadores rurais e agricultura familiar, XI Congresso Brasileiro de Sociologia, São Paulo: Campinas. Disponível em: www.sbsociologia.com.br/portal/index.php?option=com

Medeiros, L. S. de. (2010). Os trabalhadores e seus arquivos: questões em torno da recuperação das lutas no campo. Em Marques, A. J. y Stampa, I. T. (Orgs). O Mundo dos trabalhadores e seus arquivos (pp. 27-42) 2ª. ed. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional; São Paulo: Central Única dos Trabalhadores.

Menezes, T. (2000). Produzindo um território protegido: novas formas de delimitação de fronteira e regulação de conflitos a partir dos usos da legislação ambiental em três municípios da Zona da Mata de Pernambuco, XXII Reunião Brasileira de Antropologia. Fórum de Pesquisa 3: “Conflitos Socioambientais e Unidades de Conservação”. Brasilia, julho.

Paula, E. A de y Silva, M.C. R de. (2005). Sindicalismo rural, poder local e ambientalismo na terra de Chico Mendes. SBS, XII Congresso Brasileiro de Sociologia, FAFICH/ Belo Horizonte-MG, 31 de maio a 3 de junho.

Picolotto, E. (2012). O sindicalismo da agricultura familiar e a construção da pauta ambiental no Sul do Brasil, REDD – Revista Espaço de Diálogo e Desconexão, Araraquara, v. 5, n. 1, jul/dez. Disponível em: http://seer.fclar.unesp.br/redd/article/view/4956/4483

Picolotto, E. L. y Brandenburg, A. (2012). Sindicalismo da agricultura familiar no Sul do Brasil: da representação de agricultores à representação de agricultores-ecologistas, 36° encontro anual da ANPOCS, São Paulo: Água de Lindóia. 21 a 25 de outubro.

Ricci, R. (1999). Terra de Ninguém: Representação sindical rural no Brasil. Campinas, SP: Editora da Unicamp.

Rodrigues, L. M.( 2002). Destino do sindicalismo. 2ª ed. São Paulo: EDUSP: Fapesp.

Rosa, M. (2004). As novas faces do sindicalismo rural brasileiro: a reforma agrária e as tradições sindicais na Zona da Mata de Pernambuco, Dados [online], vol.47, n.3, 473-503.

Santana, M. A. (2005). O mundo do trabalho em mutação: as reconfigurações e seus impactos, Cadernos IHU Idéias, ano 3, nº 34, 1-22.

Santana, M. A. (2010). O mundo do trabalho em mutação: memórias, identidades e ações coletivas. Em Marques, A. J. y Stampa, I. T. (Orgs). O mundo dos trabalhadores e seus arquivos. 2ª. ed. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional; São Paulo: Central Única dos Trabalhadores.

Silva, T. A. A. da. (2008) O sindicalismo rural e os caminhos para a autogestão: uma superação do assistencialismo? Fortaleza: BNB.

Silva, T. A. A. da y Soares, L. F. (2013). O movimento sindical de trabalhadores rurais e a questão socioambiental. Anais do VII congresso latino-americano de estudos do trabalho. São Paulo: FAFICH/USP, 02 a 05 de julho.

Sigaud, L. (1979). Os clandestinos e os direitos. São Paulo, Duas Cidades.

Schneider, S. (2006). Agricultura familiar e desenvolvimento rural endógeno: elementos teóricos e um estudo de caso. Em Froehlich, J.M. y Vivien, Diesel. (Org.) (2006). Desenvolvimento Rural - tendências e debates contemporâneos. Ijuí: Unijuí. Disponível em: http://www.ufrgs.br/pgdr/arquivos/386.pdf.
Publicado
Dec 7, 2016
Cómo citar
Silva, T., & Soares, L. (2016). A questão socioambiental e o sindicalismo rural em Pernambuco – Brasil. Mundo Agrario, 17(36), e031. Consultado de http://www.mundoagrario.unlp.edu.ar/article/view/MAe031/7767
Sección
Artículos

Palabras clave

Ambientalização; Ação sindical; Sindicalismo rural