Reconfigurações institucionais nos mercados agroalimentares: a construção das normas e padrões nas Indicações Geográficas para vinhos no Brasil

Paulo Andre Nierdele, Kelly Lissandra Bruch, Adriana Carvalho Pinto Vieira

Resumen


O artigo analisa as mudanças ensejadas pela construção das Indicações Geográficas (IG) no segmento vinícola brasileiro. Inicialmente, discute o papel das normas e padrões na governança dos mercados. Em seguida, com base em pesquisas conduzidas em cinco regiões vinícolas brasileiras, analisa o processo de construção dos Regulamentos de Uso. Os resultados demonstram que, apesar das fragilidades institucionais que caracterizam o uso deste instrumento de propriedade intelectual no Brasil, existe coerência nas normas estabelecidas para os diferentes contextos estudados. Isto decorre de um processo de coordenação setorial, o qual se pauta pela construção de um sistema de IGs que mescla mudança organizacional e tecnológica com a revalorização dos atributos socioculturais dos territórios. 



Palabras clave


Indicações geográficas; Vinho; Mercados; Instituições

Referencias


Appaduray, A. (2008). “Introdução: mercadorias e a política de valor”. In: Appaduray, A. (Org.). A vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural (pp.15-88), Niterói/RJ: EdUFF.

Barham, E. (2003). Translating terroir: the global challenge of French AOC labeling. Journal of Rural Studies, v.19, 127–138.

Belas, C.A.; Wilkinson, J. (2014). Indicações Geográficas e a Valorização Comercial do Artesanato em Capim Dourado do Jalapão. Sustentabilidade em Debate, v. 5, 56-78.

Bérard, L.; Marchenay, P. (2008). From localized products to geographical indications: awareness and action. Paris: CNRS.

Boltanski, L. (2009). De la critique: précis de la sociologie de l’émancipation. Paris: Gallimard.

Boltanski, L.; Thévenot, L. (1999). The sociology of critical capacity. European Journal of Social Theory, v.2, n.3, 359-377.

Bowen, S.; Zapata, A.V. (2009). Geographical indications, terroir, and socioeconomic and ecological sustainability: The case of tequila. Journal of Rural Studies, n.25, 108-119.

Bruch, K.L. (2013). “A legislação brasileira sobre indicações geográficas em face das experiências internacionais”. In: Nierdele, P.A. (Org.). Indicações geográficas: qualidade e origem nos mercados internacionais (pp. 245-260) Porto Alegre: UFRGS.

Bruch, K.L. (2008). “Indicações geográficas para o Brasil: problemas e perspectivas”. In: Pimentel, L.O.; Boff, S.O.; Del’olmo, F.S. (Org.) Propriedade intelectual: gestão do conhecimento, inovação tecnológica no agronegócio e cidadania (pp. 220-245) Florianópolis: Boiteux, 2008.

Bruch, K.L., Copetti, M. (2010). Evolução das indicações geográficas no direito brasileiro, Revista Brasileira de Viticultura e Enologia, n. 2, 15-23.

Busch, L. (2013). Standards: recipes for reality. Massachussets: MIT Press.

Callon, M. (1991). “Techno-economic networks and irreversibility”. In: LAW, J. A sociology of monsters: essays on power, technology and domination (pp.132-161) Londres: Routledge.

Cerdan, C. (2009). Valorização dos produtos de origem e do patrimônio dos territórios rurais no sul do Brasil: Contribuição para o desenvolvimento territorial sustentável. Política & Sociedade, n.14, 277-299.

Cerdan, C. ; Vitrolles, D. ; Delfosse, C. ; Velloso, C. Q. ; Nabinger, C. ; Silva, A.L. (2009). Penser la conservation des ressources bioculturelles sous l’angle de la valorisation de l’origine : la mise en place d’indications géographiques dans le Sud Brésil.Autrepart, n.50, 153-166, 2009.

Coelho, A.; Couderc, J.P. (2006). « Globalisation + financialisation = concentration? Trends on mergers, acquisitions and financial investment in the wine sector”. In: Anais III International wine business & marketing research conference (pp. 1-20) Montpellier: SupAgro, 2006.

Dias, J.F.V.R. (2005). A construção institucional da qualidade em produtos tradicionais. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Agricultura e Sociedade). Rio de Janeiro: UFRRJ.

EMBRAPA Uva e Vinho. (2014). Projetos de indicações geográficas de vinhos: referencias do “IG padrão Embrapa Uva e Vinho”. Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho.

EMBRAPA Uva e Vinho. (2012). Regulamento de uso da Indicação de Procedência região de Monte Belo. Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho.

Falcade, I. (2013). “As paisagens vitícolas e a identidade das Indicações de Procedência Vale dos Vinhedos, Pinto Bandeira e Monte Belo”. In: Medeiros, R.M.; Falcade, I. (Org.). Expressões da re-territorialização do campo brasileiro (pp. 257-281) Porto Alegre: Imprensa Livre.

Favereau, O.; Biencourt, B.; Eymard-Dyvernay, F. (2002). “Where do markets come from? From (quality) conventions!” In: Favareau, O.; Lazega, E. Conventions and structures in economic organizations: markets, networks and hierarchies (pp.213-252) Cheltenham: Edward Elgar.

Flexor, G. (2006). A Globalização do Sistema Agroalimentar e seus desafios para o Brasil. Economia Ensaios, v. 21, 63-96.

Flingstein, N. (2001). The architecture of markets: an economic sociology of twenty-first-century capitalist societies. Princeton/NJ: Princeton University Press.

Flores, M.X. (2007). Da solidariedade social ao individualismo: um estudo sobre o desenvolvimento do vale dos vinhedos na serra gaúcha. Tese (Doutorado em Sociologia Política). Florianópolis: UFSC.

Froehlich, J. M. (2012). Indicações Geográficas e desenvolvimento territorial? As percepções das organizações representativas da agricultura familiar na Espanha. Estudos Sociedade e Agricultura, v. 20, 485-508.

Garcia-Parpet, M.F. (2009). Le marché de l'excellence: les grands crus à l'epreuve de la mondialisation. Paris: Seuil.

Garcia-Parpet, M.F. (2007). Mundialização dos mercados e padrões de qualidade. Vinho: o modelo francês em questão. Tempo Social, v.16, n.2, 129-150.

Hercovici, A. (2004). Irreversibilidade, incerteza e teoria econômica: reflexões à respeito do indeterminismo metodológico e de suas aplicações na ciência econômica. Estudos econômicos, v.34, n.4, 805-825.

IBRAVIN. (2015). Dados estatísticos. Disponível em http://www.ibravin.org.br/. Acesso em 29 de julho de 2015.

Leite, S. P.; Wesz Junior, V. J. (2013). Les dynamiques foncières et l'expansion de l'agro-industrie du soja au Brésil. Cahiers Agricultures, v. 22, 1-7.

Letablier, M.T.; Delfosse, C. (1995). « Genése d’une convention de qualité ». In: Allaire, G.; Boyer, R. (Org.). La grande transformation de l’agricultura (pp.97-118) Paris: INRA/Economica.

Lotty, A. (2010). The commoditization of products and taste: Slow Food and the conservation of agrobiodiversity. Agriculture and Human Values, v. 27, 71–83.

OIV. (2007). Situation du secteur vitivinicole mondial en 2007. Statistiques vitivinicoles mondiales. Paris: OIV.

Niederle, P.A. (Org.). (2013). Indicações Geográficas: qualidade e origem nos mercados alimentares. Porto Alegre: UFRGS.

Niederle, P.A. (2011). Compromissos para a qualidade: projetos de indicação geográfica para vinhos no Brasil e na França. Tese. (Doutorado em Ciências Sociais). Rio de Janeiro: UFRRJ.

Niederle, P.; Gelain, J. (2013). Geographical indications in Brazilian food markets: quality conventions, institutionalization and path dependence. Journal of Rural Social Sciences, v. 28, 26-53.

Niederle, P.; Vitrolles, D. (2010). Indicações Geográficas e qualificação no setor vitivinícola brasileiro. Estudos Sociedade e Agricultura, v. 18, 5-55.

Niederle, P.; Gilbert, H. (2010). « Une stratégie des territoires du vin face aux mutations du marché viti-vinicole mondial : la redéfinition des terroirs ». In: Delfosse, C. (Org.). La mode du terroir et les produits alimentaires (pp. 141-182) Paris: Ed. Boutiques de l´Histoire.

Roese, M. (2008). O mondovino de cabeça para baixo: as transformações no mercado internacional do vinho e o novo empresariado vinícola. Revista de sociologia política, v.16, n.31, 71-83.

Sacco dos Anjos, F.; Aguilar Criado, E.; Caldas, N. V. (2013). Indicações geográficas e desenvolvimento territorial: um diálogo entre a realidade europeia e brasileira. Dados, 207-236.

Schirmer, R. (2004). « Une nouvelle planète des vins ». In: Actes 15ème festival international de géographie (pp 1-15) Saint-Dié-des-Vosges/France: Saint-Dié-des-Vosges.

Thévenot, L. (2001). Organized complexity: conventions of coordination and the composition of economic arrangements. European journal of social theory, n.4, v.4, 405-425.

Thiedig, F.; Sylvander, B. (2000). Welcome to the club? An economical approach to geographical indications in the European Union. Agrarwirstschaft, n.49, v.12, 428-437.

Tonietto, J. (2003). Vinhos brasileiros de 4ª geração: o Brasil na era das indicações geográficas. Comunicado Técnico, n.45, 1-7.

Tonietto, J. (2006). O conceito de denominação de origem: uma opção para o desenvolvimento do setor vitivinícola brasileiro. Bento Gonçalves: Embrapa, 1993.

Tonietto, J. “Experiências de desenvolvimento de certificações: vinhos da indicação de procedência Vale dos Vinhedos”. In: Lages, V.; Lagares, L.; Braga, C. L. (Org.). Valorização de produtos com diferencial de qualidade e identidade: indicações geográficas e certificações para competitividade nos negócios (pp. 155-176) 2. ed. Brasília, DF: SEBRAE.

Tonietto, J.; Zanus, M.C.; Falcade, I.; Guerra. C.C. (2013a). O regulamento de uso da indicação geográfica Pinto Bandeira: vinhos finos tranquilos e espumantes. Bento Gonçalves: Embrapa.

Tonietto, J.; Zanus, M.C.; Falcade, I.; Guerra. C.C. (2013b). O regulamento de uso da denominação de origem Vale dos Vinhedos: vinhos finos tranquilos e espumantes. Bento Gonçalves: Embrapa.

Tonietto, J.; Zanus, M.C.; Falcade, I.; Guerra. C.C. (2013c). O regulamento de uso da indicação geográfica Altos Montes: vinhos finos tranquilos e espumantes. Bento Gonçalves: Embrapa.

UVIBRA. (2009). Importação de vinhos e espumantes. Disponível em: http://www.uvibra.com.br/dados_estatisticos.htm. Acesso em 26 de julho de 2015.

Vandecandelaere, E.; Arfini, F.; Belletti, G.; Marescotti, A. (Ed.). Linking people, places and products. Rome: FAO/SINER-GI.

Van de Kop, P.; Sautier, D.; Gerz, A. (Eds.). (2006). Origin-labeled products: lessons for pro-poor market development. Bulletin 372, 17-21.

Wilkinson, J. (2008). Mercados, Redes e Valores. 1. ed. Porto Alegre: UFRGS.

Wilkinson, J.; Mascarenhas, G. (2014). Indicações geográficas em países em desenvolvimento. Potencialidades e desafios, Revista de Politica Agricola, v. 23, 103-115.

Wilkinson, J.; Cerdan, C.; Dorigon, N, C. (2015). Geographical Indications and “Origin” Products in Brazil – The Interplay of Institutions and Networks. World Development, In Press, Corrected Proof, Available online 23 June 2015.

Zelizer, V. (2005). “Circuits within capitalism”. In: Nee, V.; Swedberg, R. The economic sociology of capitalism (pp.289-319) Cambridge: Cambridge University Press.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2016 PAULO ANDRE NIEDERLE, Kelly Lissandra Bruch, Adriana Carvalho Pinto Vieira

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.

Mundo agrario (ISSN 1515-5994) - www.mundoagrario.unlp.edu.ar

Centro de Historia Argentina y Americana
IdIHCS - CONICET
Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación

Universidad Nacional de La Plata

Calle 51 e/ 124 y 125  |  (1925) Ensenada  |  Buenos Aires  |  Argentina
Correo-e mundoagrario@fahce.unlp.edu.ar

Creative Commons 4.0 Internacional (Atribución-NoComercial-CompartirIgual) a menos que se indique lo contrario

Prosecretaría de Gestión Editorial y Difusión
Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación | Universidad Nacional de La Plata

Calle 51 e/ 124 y 125 | (1925) Ensenada | Buenos Aires | Argentina
Teléfonos: +54 221 4230127/4236673 Interno 1268
Correo-e publicaciones@fahce.unlp.edu.ar

Equipo de desarrollo del portal Revistas de la FaHCE

Hecho con OJS Open Journal system

Propietario: FaHCE. UNLP
Registro Propiedad Intelectual en trámite