Reconfigurações institucionais nos mercados agroalimentares: a construção das normas e padrões nas Indicações Geográficas para vinhos no Brasil

  • Paulo Andre Nierdele Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Kelly Lissandra Bruch
  • Adriana Carvalho Pinto Vieira

Resumen

O artigo analisa as mudanças ensejadas pela construção das Indicações Geográficas (IG) no segmento vinícola brasileiro. Inicialmente, discute o papel das normas e padrões na governança dos mercados. Em seguida, com base em pesquisas conduzidas em cinco regiões vinícolas brasileiras, analisa o processo de construção dos Regulamentos de Uso. Os resultados demonstram que, apesar das fragilidades institucionais que caracterizam o uso deste instrumento de propriedade intelectual no Brasil, existe coerência nas normas estabelecidas para os diferentes contextos estudados. Isto decorre de um processo de coordenação setorial, o qual se pauta pela construção de um sistema de IGs que mescla mudança organizacional e tecnológica com a revalorização dos atributos socioculturais dos territórios. 

Descargas

Los datos de descarga aún no están disponibles.

Citas

Appaduray, A. (2008). “Introdução: mercadorias e a política de valor”. In: Appaduray, A. (Org.). A vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural (pp.15-88), Niterói/RJ: EdUFF.

Barham, E. (2003). Translating terroir: the global challenge of French AOC labeling. Journal of Rural Studies, v.19, 127–138.

Belas, C.A.; Wilkinson, J. (2014). Indicações Geográficas e a Valorização Comercial do Artesanato em Capim Dourado do Jalapão. Sustentabilidade em Debate, v. 5, 56-78.

Bérard, L.; Marchenay, P. (2008). From localized products to geographical indications: awareness and action. Paris: CNRS.

Boltanski, L. (2009). De la critique: précis de la sociologie de l’émancipation. Paris: Gallimard.

Boltanski, L.; Thévenot, L. (1999). The sociology of critical capacity. European Journal of Social Theory, v.2, n.3, 359-377.

Bowen, S.; Zapata, A.V. (2009). Geographical indications, terroir, and socioeconomic and ecological sustainability: The case of tequila. Journal of Rural Studies, n.25, 108-119.

Bruch, K.L. (2013). “A legislação brasileira sobre indicações geográficas em face das experiências internacionais”. In: Nierdele, P.A. (Org.). Indicações geográficas: qualidade e origem nos mercados internacionais (pp. 245-260) Porto Alegre: UFRGS.

Bruch, K.L. (2008). “Indicações geográficas para o Brasil: problemas e perspectivas”. In: Pimentel, L.O.; Boff, S.O.; Del’olmo, F.S. (Org.) Propriedade intelectual: gestão do conhecimento, inovação tecnológica no agronegócio e cidadania (pp. 220-245) Florianópolis: Boiteux, 2008.

Bruch, K.L., Copetti, M. (2010). Evolução das indicações geográficas no direito brasileiro, Revista Brasileira de Viticultura e Enologia, n. 2, 15-23.

Busch, L. (2013). Standards: recipes for reality. Massachussets: MIT Press.

Callon, M. (1991). “Techno-economic networks and irreversibility”. In: LAW, J. A sociology of monsters: essays on power, technology and domination (pp.132-161) Londres: Routledge.

Cerdan, C. (2009). Valorização dos produtos de origem e do patrimônio dos territórios rurais no sul do Brasil: Contribuição para o desenvolvimento territorial sustentável. Política & Sociedade, n.14, 277-299.

Cerdan, C. ; Vitrolles, D. ; Delfosse, C. ; Velloso, C. Q. ; Nabinger, C. ; Silva, A.L. (2009). Penser la conservation des ressources bioculturelles sous l’angle de la valorisation de l’origine : la mise en place d’indications géographiques dans le Sud Brésil.Autrepart, n.50, 153-166, 2009.

Coelho, A.; Couderc, J.P. (2006). « Globalisation + financialisation = concentration? Trends on mergers, acquisitions and financial investment in the wine sector”. In: Anais III International wine business & marketing research conference (pp. 1-20) Montpellier: SupAgro, 2006.

Dias, J.F.V.R. (2005). A construção institucional da qualidade em produtos tradicionais. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Agricultura e Sociedade). Rio de Janeiro: UFRRJ.

EMBRAPA Uva e Vinho. (2014). Projetos de indicações geográficas de vinhos: referencias do “IG padrão Embrapa Uva e Vinho”. Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho.

EMBRAPA Uva e Vinho. (2012). Regulamento de uso da Indicação de Procedência região de Monte Belo. Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho.

Falcade, I. (2013). “As paisagens vitícolas e a identidade das Indicações de Procedência Vale dos Vinhedos, Pinto Bandeira e Monte Belo”. In: Medeiros, R.M.; Falcade, I. (Org.). Expressões da re-territorialização do campo brasileiro (pp. 257-281) Porto Alegre: Imprensa Livre.

Favereau, O.; Biencourt, B.; Eymard-Dyvernay, F. (2002). “Where do markets come from? From (quality) conventions!” In: Favareau, O.; Lazega, E. Conventions and structures in economic organizations: markets, networks and hierarchies (pp.213-252) Cheltenham: Edward Elgar.

Flexor, G. (2006). A Globalização do Sistema Agroalimentar e seus desafios para o Brasil. Economia Ensaios, v. 21, 63-96.

Flingstein, N. (2001). The architecture of markets: an economic sociology of twenty-first-century capitalist societies. Princeton/NJ: Princeton University Press.

Flores, M.X. (2007). Da solidariedade social ao individualismo: um estudo sobre o desenvolvimento do vale dos vinhedos na serra gaúcha. Tese (Doutorado em Sociologia Política). Florianópolis: UFSC.

Froehlich, J. M. (2012). Indicações Geográficas e desenvolvimento territorial? As percepções das organizações representativas da agricultura familiar na Espanha. Estudos Sociedade e Agricultura, v. 20, 485-508.

Garcia-Parpet, M.F. (2009). Le marché de l'excellence: les grands crus à l'epreuve de la mondialisation. Paris: Seuil.

Garcia-Parpet, M.F. (2007). Mundialização dos mercados e padrões de qualidade. Vinho: o modelo francês em questão. Tempo Social, v.16, n.2, 129-150.

Hercovici, A. (2004). Irreversibilidade, incerteza e teoria econômica: reflexões à respeito do indeterminismo metodológico e de suas aplicações na ciência econômica. Estudos econômicos, v.34, n.4, 805-825.

IBRAVIN. (2015). Dados estatísticos. Disponível em http://www.ibravin.org.br/. Acesso em 29 de julho de 2015.

Leite, S. P.; Wesz Junior, V. J. (2013). Les dynamiques foncières et l'expansion de l'agro-industrie du soja au Brésil. Cahiers Agricultures, v. 22, 1-7.

Letablier, M.T.; Delfosse, C. (1995). « Genése d’une convention de qualité ». In: Allaire, G.; Boyer, R. (Org.). La grande transformation de l’agricultura (pp.97-118) Paris: INRA/Economica.

Lotty, A. (2010). The commoditization of products and taste: Slow Food and the conservation of agrobiodiversity. Agriculture and Human Values, v. 27, 71–83.

OIV. (2007). Situation du secteur vitivinicole mondial en 2007. Statistiques vitivinicoles mondiales. Paris: OIV.

Niederle, P.A. (Org.). (2013). Indicações Geográficas: qualidade e origem nos mercados alimentares. Porto Alegre: UFRGS.

Niederle, P.A. (2011). Compromissos para a qualidade: projetos de indicação geográfica para vinhos no Brasil e na França. Tese. (Doutorado em Ciências Sociais). Rio de Janeiro: UFRRJ.

Niederle, P.; Gelain, J. (2013). Geographical indications in Brazilian food markets: quality conventions, institutionalization and path dependence. Journal of Rural Social Sciences, v. 28, 26-53.

Niederle, P.; Vitrolles, D. (2010). Indicações Geográficas e qualificação no setor vitivinícola brasileiro. Estudos Sociedade e Agricultura, v. 18, 5-55.

Niederle, P.; Gilbert, H. (2010). « Une stratégie des territoires du vin face aux mutations du marché viti-vinicole mondial : la redéfinition des terroirs ». In: Delfosse, C. (Org.). La mode du terroir et les produits alimentaires (pp. 141-182) Paris: Ed. Boutiques de l´Histoire.

Roese, M. (2008). O mondovino de cabeça para baixo: as transformações no mercado internacional do vinho e o novo empresariado vinícola. Revista de sociologia política, v.16, n.31, 71-83.

Sacco dos Anjos, F.; Aguilar Criado, E.; Caldas, N. V. (2013). Indicações geográficas e desenvolvimento territorial: um diálogo entre a realidade europeia e brasileira. Dados, 207-236.

Schirmer, R. (2004). « Une nouvelle planète des vins ». In: Actes 15ème festival international de géographie (pp 1-15) Saint-Dié-des-Vosges/France: Saint-Dié-des-Vosges.

Thévenot, L. (2001). Organized complexity: conventions of coordination and the composition of economic arrangements. European journal of social theory, n.4, v.4, 405-425.

Thiedig, F.; Sylvander, B. (2000). Welcome to the club? An economical approach to geographical indications in the European Union. Agrarwirstschaft, n.49, v.12, 428-437.

Tonietto, J. (2003). Vinhos brasileiros de 4ª geração: o Brasil na era das indicações geográficas. Comunicado Técnico, n.45, 1-7.

Tonietto, J. (2006). O conceito de denominação de origem: uma opção para o desenvolvimento do setor vitivinícola brasileiro. Bento Gonçalves: Embrapa, 1993.

Tonietto, J. “Experiências de desenvolvimento de certificações: vinhos da indicação de procedência Vale dos Vinhedos”. In: Lages, V.; Lagares, L.; Braga, C. L. (Org.). Valorização de produtos com diferencial de qualidade e identidade: indicações geográficas e certificações para competitividade nos negócios (pp. 155-176) 2. ed. Brasília, DF: SEBRAE.

Tonietto, J.; Zanus, M.C.; Falcade, I.; Guerra. C.C. (2013a). O regulamento de uso da indicação geográfica Pinto Bandeira: vinhos finos tranquilos e espumantes. Bento Gonçalves: Embrapa.

Tonietto, J.; Zanus, M.C.; Falcade, I.; Guerra. C.C. (2013b). O regulamento de uso da denominação de origem Vale dos Vinhedos: vinhos finos tranquilos e espumantes. Bento Gonçalves: Embrapa.

Tonietto, J.; Zanus, M.C.; Falcade, I.; Guerra. C.C. (2013c). O regulamento de uso da indicação geográfica Altos Montes: vinhos finos tranquilos e espumantes. Bento Gonçalves: Embrapa.

UVIBRA. (2009). Importação de vinhos e espumantes. Disponível em: http://www.uvibra.com.br/dados_estatisticos.htm. Acesso em 26 de julho de 2015.

Vandecandelaere, E.; Arfini, F.; Belletti, G.; Marescotti, A. (Ed.). Linking people, places and products. Rome: FAO/SINER-GI.

Van de Kop, P.; Sautier, D.; Gerz, A. (Eds.). (2006). Origin-labeled products: lessons for pro-poor market development. Bulletin 372, 17-21.

Wilkinson, J. (2008). Mercados, Redes e Valores. 1. ed. Porto Alegre: UFRGS.

Wilkinson, J.; Mascarenhas, G. (2014). Indicações geográficas em países em desenvolvimento. Potencialidades e desafios, Revista de Politica Agricola, v. 23, 103-115.

Wilkinson, J.; Cerdan, C.; Dorigon, N, C. (2015). Geographical Indications and “Origin” Products in Brazil – The Interplay of Institutions and Networks. World Development, In Press, Corrected Proof, Available online 23 June 2015.

Zelizer, V. (2005). “Circuits within capitalism”. In: Nee, V.; Swedberg, R. The economic sociology of capitalism (pp.289-319) Cambridge: Cambridge University Press.
Publicado
Dec 7, 2016
Cómo citar
Nierdele, P., Bruch, K., & Pinto Vieira, A. (2016). Reconfigurações institucionais nos mercados agroalimentares: a construção das normas e padrões nas Indicações Geográficas para vinhos no Brasil. Mundo Agrario, 17(36), e033. Consultado de http://www.mundoagrario.unlp.edu.ar/article/view/MAe033/7786
Sección
Artículos

Palabras clave

Indicações geográficas; Vinho; Mercados; Instituições