Ocupações e Rendimentos de Mulheres e Homens nas Áreas Rurais no Nordeste do Brasil: uma análise para primeira década do século XXI

  • Jefferson Ramundo Staduto http://orcid.org/0000-0003-1855-1292
  • Carlos Alves do Nascimento Universidade Federal de Uberlândia – UFU.
  • Marcelino de Souza Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Resumen

Este trabalho examina as ocupações e fontes de renda de mulheres e homens das famílias das áreas rurais na região Nordeste do Brasil, 2002 a 2009. Foram feitas estatísticas descritivas dos microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Os resultados mostraram que o número de famílias dessas áreas cresceu, mas de agricultura familiar reduziu. Verificou-se a intensa redução das ocupações agrícolas e o aumento da proletarização das famílias rurais. A ocupação não agrícola foi um importante lócus para as mulheres gerarem renda. A maior fonte de renda das famílias é oriunda das ocupações agrícolas dos homens; e as transferências sociais são as maiores fontes para as mulheres.

Descargas

Los datos de descarga aún no están disponibles.

Biografía del autor

Carlos Alves do Nascimento, Universidade Federal de Uberlândia – UFU.
Doutor em Economia Aplicada pela UNICAMP; Professor do Programa de Pós-Graduação em Economia UFU.
Marcelino de Souza, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS
Doutor em Engenharia Agrícola pela UNICAMP; Professor do Programa Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural da UFRGS.

Citas

Abramovay, M. & Silva, R. (2000). As relações de gênero na Confederação Nacional de Trabalhadores Rurais (CONTAG). Em M. I. B. da ROCHA (ed.), Trabalho e gênero: mudanças, permanências e desafios (pp. 13-58) São Paulo: ABEP, NEPO/UNICAMP e CEDEPLAR/UFMG.

Alves, E & Marra, R. (2009). A persistente migração rural-urbano. Revista de Política Agrícola, 18(4), 5-17.

Alves, E., Souza, G.S. & Marra, R. (2011). Êxodo e sua contribuição à urbanização de 1950 a 2010. Revista de Política Agrícola, 20(2), 5-22.

Alves, E., Souza, G. S., Rocha, D. P. (2013). Desigualdade nos campos na ótica do Censo Agropecuário 2006. Revista de Política Agrícola, 22(2), 67-75.

Brumer, A. (2002). Previdência social rural e gênero. Sociologias, 7, 50-81.

Brumer, A. (2006). A problemática dos jovens rurais na pós-modernidade. Em VII Congresso Latino-Americano de Sociologia Rural. Anais. Quito, Equador: ALASRU.

Camarano, A. A. & Abramovay, R. (1999). Êxodo rural, envelhecimento e masculinização no Brasil: panorama dos últimos 50 anos. Brasília: IPEA. (texto para discussão, 621).

Castro, J. A. & Aquino, L. (2008). Juventude e políticas sociais no Brasil. Brasília: IPEA. (texto para discussão, 1335).

Codes, A. L. M. D. (2008). A Trajetória do Pensamento Científico sobre Pobreza: em direção a uma visão complexa. Brasília: IPEA. (textos para discussão, 1332).

Couto, A.C. (2014). Pobreza entre os ocupados agrícolas no Brasil: uma análise de suas características e principais determinantes: 2004-2012. (tese de doutorado) Maringá: UEM.

Deere, C. & León, M. (2002). O empoderamento da mulher: direitos a terra e direitos depropriedade na América Latina. Porto Alegre: UFRGS.

DeGraff, D. S.; Anker, R. (2004). Gênero, mercado de trabalho e o trabalho das mulheres. Em A. Pinnelli (org.), Gênero nos estudos populacionais. Campinas, ABEP. (série demográficas, 2).

Doss, C. (2013). Intrahousehold bargaining and allocation in developing countries. The World Bank Research Oberver, 28(1), 52-78.

Delgado, G. & Cardoso Jr., J. (2000). Principais resultados da pesquisa domiciliar sobre a previdência rural na região Sul do Brasil. Brasília: IPEA.

Ellis, F. (1998). Household strategies and rural livelihood diversification. Journal of Development Studies, 35(1), 1-38.

Ellis, F. & Biggs, S. (2001). Evolving themes in rural development 1950s-2000s Development Policy Review, 19(4), 437-448.

Feijó, R. (2010). Efeito do título de propriedade da terra na determinação da renda rural. Revista Economia e Sociologia Rural, 48(4), 935-969.

Galizoni, (2000). F. M. Migrações e rede familiares no alto Jequitinhonha, Minas Gerais. Em Encontro Nacional da Associação Brasileira de Estudos Populacionais, 2000. Anais. Rio de Janeiro: ABEP.

Guilhoto, J. J. M., Azzoni, C. R. & Ichiara, S.M. (2014). Contribuições da agricultura e do agronegócio familiar para o PIB do Nordeste. Revista Econômica do Nordeste, 45, 136-152.

Graziano da Silva, J. (1981). A modernização dolorosa: estrutura agrária, fronteira agrícola e trabalhadores rurais no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Graziano da Silva, J. (2002). O novo rural brasileiro. Campinas: UNICAMP/IE, (coleção pesquisas, 1).

Gujarati, D. N. (2006). Econometria básica. Rio de Janeiro: Ed. Campus.

Heredia, B & Cintrão, R. (2006). Gênero e acesso a políticas públicas no meio rural brasileiro. Em O progresso das mulheres no Brasil (pp. 102-131) Brasília: UNIFEM/Fundação Ford/CEPIA.

Hoffmann, R. (2011). Distribuição da renda agrícola e sua contribuição para a desigualdade de renda no Brasil. Revista de Política Agrícola, 20(2), 5-22.

Hoffmann, R. (2000). Quatro tipos de testes de hipóteses com os dados das PNADs. Em C. Campanhola & J. Graziano da Silva (orgs.), O novo rural brasileiro: uma análise nacional e regional. [pp. 137-155] Jaguariúna: EMBRAPA.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2010)http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/tabuas_abreviadas_mortalidade/2010/default.shtm. [acesso em12/12/13].

INSTRAW/ONU. (1995). Conceitos de gênero no planejamento do desenvolvimento; uma abordagem básica. DF: Conselho dos Direitos da Mulher do Distrito Federal.

Kageyama, A. (Coord) (1987). O novo padrão agrícola brasileira: do complexo rural aos complexos agroindustriais. Campinas: UNICAMP.

Kageyama, A. (2003) Diversificação das rendas nos domicílios agrícolas no Brasil, 1992 e 2001. Revista Economia e Sociedade, 12(1), 65-86.

Kischener, M., Kiyota, N. & Perondi, M. (2015). Sucessão geracional na agricultura familiar: lições apreendidas em duas comunidades rurais. Mundo Agrario, 16(33)

Kreter, A. & Bacha, C. (2006). Avaliação da equidade da previdência no meio rural brasileiro. Revista de Sociologia e Economia Rural, 40(3), 467-502.

Kreter, A. (2015). Previdência rural social e gênero. Em J. A. R. Staduto, M. Souza & C. A. Nascimento (2015), Desenvolvimento rural e gênero: abordagens analíticas, estratégias e políticas públicas (pp. 212-343). Porto Alegre: Editora da UFRGS,. (séries rurais).

Lombardi, S. P. M. (2006). Desenvolvimento rural e gênero: a participação das mulheres na organização de um movimento social – o caso da CRABI – PR. (dissertação de mestrado), UNIOESTE, Toledo, Brasil

Mello, M. de, Abramovay, R., Silvestro, M., Dorigon, C., Ferrari, D. & Testa, V. (2003). Sucessão hereditária e reprodução social da agricultura familiar. Agricultura em São Paulo, 50(1), 11-24.

Nascimento, C. A. (2005). Pluriatividade, pobreza rural e políticas públicas. (tese de doutorado), Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Campinas, Brasil.

Nascimento, C. A.; Cardoso, S. A. (2007). Redes urbanas regionais e a pluriatividade das famílias rurais no Nordeste e no Sul do Brasil, 1992-1999 e 2001-2005. Revista Econômica do Nordeste, 38(4), 637-658.

Nascimento, C. A. (2009). A pluriatividade das famílias rurais no Nordeste e no Sul do Brasil: pobreza rural e políticas públicas. Economia e Sociedade, 18(36), 317-348.

Nascimento, C. A.; Souza, M. & Staduto, J. A. R. (2015). Análise regional das formas de ocupações e dos rendimentos das mulheres e homens nas áreas rurais do Sul do Brasil na primeira década do século XX. Em J. A. R Staduto, Souza, M. & Nascimento, C. A. Desenvolvimento rural e gênero: abordagens analíticas, estratégias e políticas públicas (pp. 97-122). Porto Alegre: Editora da UFRGS,. (Séries Rurais).

Neder, H. A utilização estatística das informações das Pnads: testes de hipóteses e reamostragem. Em C. Campanhola & J. Graziano da Silva (orgs.) (2000). O novo rural brasileiro: uma análise nacional e regional (pp. 101-136) Jaguariúna: Embrapa.

Paulilo, M.I.S. (1986). O peso do trabalho leve. Em E. Grassi (Comp.), La antropologia social y los estudios de la mujer (pp. 135-148) Buenos Aires: Humanitas.

Quintela, M. D., Alves, J. E. D. & Silva, D. B. N. (2013). A pobreza no nordeste brasileiro em 2000 e 2010: uma aplicação do índice de pobreza multidimensional PNUD/ONU. Em Encontro da Associação Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, 2013. Anais, Foz do Iguaçu: ABER.

Rocha, S. (1998). Pobreza no Brasil: principais tendências da espacialização. Economia e Sociedade, 10, 193-211.

Rocha, S. (2013). Pobreza no Brasil – a evolução de longo prazo (1970-2011). Em Fórum Nacional – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Rio de Janeiro, RJ. http://www.inae.org.br/estudo/pobreza-no-brasil-a-evolucao-de-longo-prazo-1970-2011/ [acesso em 02/05/2016]

Sacco dos Anjos, F. (2001). Pluriatividade e ruralidade: enigmas e falsos dilemas. Revista Estudos Sociedade e Agricultura, 17, 55–77.

Scneider, S. (2003). A pluriatividade na agricultura familiar. Porto Alegre: UFRG.

Souza, M. (2004). Agricultura, ocupações e rendas das pessoas nas áreas rurais do Paraná: 1992-1999. Revista Ensaios FEE, 25(2), 523-543.

Silva Jr., L. H. (2006). Pobreza na população rural nordestina: uma análise de suas características durante os anos de 1990. Brasília: BNDES. (28º prêmio BNDES de economia).

Pereira, R. S. (2015). Abordagem teórica sobre a questão de desenvolvimento de genero e desenvolvimento rural: dos projetos assistência ao planejamento de genero. Em J. A. R Staduto, M. Souza & C. A. Nascimento, Desenvolvimento rural e gênero: abordagens analíticas, estratégias e políticas públicas (pp. 17-42). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Quijano, M. A. F. (2015). Alguns abordajes teoricas para el analisis del desarrollo rural con una perspectiva de genero. Em J. A. R. Staduto, M. Souza & C. A. Nascimento, Desenvolvimento rural e gênero: abordagens analíticas, estratégias e políticas públicas (pp. 43-68). Porto Alegre: Editora da UFRGS,. (séries rurais).

Staduto, J. A. R., Shikida, P. F. A. & Bacha, C. J. C. (2004). Alteração na composição da mão-de-obra assalariado na agropecuária brasileira. Agricultura em São Paulo, 51(2), 57-70.

Staduto, J. A. R., Nascimento, C. A. & Souza, M. (2013). Ocupações e renda das mulheres e homens no rural do estado do Paraná, Brasil: uma perspectiva de gênero. Cuardenos de Desarrollo Rural, 10, 91-115.

Spanevello, R. M. et al. (2011). A migração juvenil e implicações sucessórias na agricultura familiar. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, 45(2), 291-304.

Spanevello, R. M. A (2008). A situação na transmissão do patrimônio na agricultura familiar. Em Fazendo Gênero 8, Corpo, violência e poder. Anais. UFSC: Florianópolis.

Weisheimer, N. (2005). Juventudes rurais: mapa de estudos recentes. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário.
Publicado
Aug 21, 2017
Cómo citar
Staduto, J., Alves do Nascimento, C., & de Souza, M. (2017). Ocupações e Rendimentos de Mulheres e Homens nas Áreas Rurais no Nordeste do Brasil: uma análise para primeira década do século XXI. Mundo Agrario, 18(38), e056. doi:10.24215/15155994e056
Sección
Artículos

Palabras clave

ocupação rural, renda rural, agricultura familiar, mulher, gênero, demografia rural, Brasil