Memória e identidade: o processo de sucessão e herança no Mercado Municipal de Montes Claros – MG, Brasil

  • Thaynara Thaissa Dias Guimaraes Universidade Federal de Viçosa, (Brasil)
  • Sheila Maria Doula Universidade Federal de Viçosa, (Brasil)

Resumen

Esta pesquisa visa compreender as representações sociais sobre o processo de sucessão e herança das barracas e da profissão de feirante no Mercado Municipal de Montes Claros – MG, Brasil. Utiliza-se a metodologia qualitativa com pesquisa bibliográfica, pesquisa documental e entrevistas semi-estruturadas com um total de 8 feirantes. Através dos resultados conclui-se que a transmissão da profissão de feirante é um processo que se desenvolve no cotidiano, através da evocação da memória e de práticas que perpassam gerações. Por sua vez, a transmissão do patrimônio material está vinculada à gestão econômica e à história das famílias.

 

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor

Thaynara Thaissa Dias Guimaraes, Universidade Federal de Viçosa
Engenheira Agrônoma pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG. Mestranda, bolsista CNPq pelo programa de Pós Graduação em Extensão Rural da Universidade Federal de Viçosa - UFV. Integrante do grupo de pesquisa Observatório Juventude Rural da UFV. Pesquisa formas de fortalecimento da agricultura familiar desde 2011, trabalha com manejo e conservação da agrobiodiversidade, processo geracional e empoderamento de mulheres rurais.
Sheila Maria Doula, Universidade Federal de Viçosa
Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1984), mestrado em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo (1991) e doutorado em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo (1997). Pós-doutorado no Programa Postdoctoral de Investigación en Ciencias Sociales, Niñez y Juventud da CLACSO. Atualmente é Professora Associada IV da Universidade Federal de Viçosa. Foi Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural e Chefe da Divisão de Assuntos Culturais da UFV. Tem experiência na área de Antropologia, com ênfase em Antropologia Rural, atuando nos seguintes temas:1) cultura, processos sociais e identidades: 2) políticas culturais no meio rural: 3) extensão rural e grupos étnicos: 4) geração e juventude no meio rural. É coordenadora do Observatório da Juventude Rural (UFV).

Citas

Anjos, F. S. dos, Godoy, W. I., e Caldas, N. V. (2005). As feiras-livres de pelotas sob o império da globalização: perspectivas e tendências. Rio Grande do Sul: Editora e gráfica universitária.

Angulo, J. L. G. (2013). Mercado local, produção familiar e desenvolvimento: estudo de caso da feira de Turmalina, Vale do Jequitinhonha, MG. Organizações Rurais e Agroindustriais, 5(2), 96-109. Recuperado de: http://revista.dae.ufla.br/index.php/ora/article/view/242

Araújo, E. J. C., e Ichikawa, E. Y. (2011). Compreendendo o projeto redes de referência para agricultura familiar a partir das representações sociais dos atores envolvidos. Organizações Rurais e Agroindustriais Revista de Administração da UFLA, 13(1), 39-52. Recuperado de: http://revista.dae.ufla.br/index.php/ora/article/view/304

Candau, J. (2005). Antropologia da memória. Lisboa: Instituto Piaget.

Caneiro, M. J. (2001). Herança e gênero entre agricultores familiares. Revista Estudos Feministas, 9(1), 22-55. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2001000100003

Cazane, A. L., Machado, J. G.de C. F., e Sampaio, F. F. (2014). Análise das feiras livres como alternativa de distribuição de frutas, legumes e verduras (FLV). Informe GEPEC, 18(1), 119-137. Recuperado de: http://e-revista.unioeste.br/index.php/gepec/article/view/7355

Cordisco, M. et al. (2013). Cultura, identidad y territorio: reflexiones para el desarrollo de una estrategia de diferenciación del servicio agroturístico en emprendimientos de un Grupo de Cambio Rural (INTA) del partido de
Coronel Suárez (Buenos Aires). Mundo Agrario, 14(27). Recuperado de: http://www.mundoagrario.unlp.edu.ar/article/view/MAv14n27a02/4831

Chemin, B. F., e Ahlert, L. (2010). A sucessão patrimonial na agricultura familiar. Revista Estudo e Debate, 17(1), 49-74. Recuperado de: http://www.univates.br/revistas/index.php/estudoedebate/article/viewFile/13/3

Filgueiras, B. S. C. (2006). Do mercado popular ao espaço de vitalidade: o mercado central de Belo Horizonte (Dissertação de mestrado inédita). Programa de Pós-graduação em Planejamento Urbano e Regional. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ.

Froehlich, J. M. (2002). A (re)construção de identidades e tradições: o rural como tema e cenário. VI Congreso de La Asociación Latinoamericana de Sociología Rural (ALASRU), Brasil. Recuperado de: http://www.alasru.org/pdf/congreso2002.pdf

Fulgêncio, D. L. (2000). Mercado Municipal. Revista Nossa História: Montes Claros, 1, 17-37.

García, R. W. D. (2003). Reflexos da globalização na cultura alimentar: considerações sobre as mudanças na alimentação urbana. Revista Nutrição, 16(4). Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732003000400011

Giddens, A. (1995). Modernidade reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista.

Godoi, E. P. (1999). O trabalho da memória: cotidiano e história no sertão do Piauí. Campinas: Editora Unicamp.

Hansen, R. S. (2002). El espacio público en el debate actual: una reflexión crítica sobre el urbanismo post-moderno. EURE Revista Latinoamericana de Estudios Urbano Regionales, 84(28), 5-19. Doi: http://dx.doi.org/10.4067/S0250-71612002008400001

Ferraris, G. (2011). La identidad y la memoria. Una experiencia de campo en el norte cordobés. Mundo Agrario, 11(22). Recuperado de: http://www.mundoagrario.unlp.edu.ar/article/view/v11n22a05/255

Halbwachs, M. (1990). A memória coletiva. São Paulo: Editora Vértice.
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. 2010. Censo Demográfico. Recuperado de: http://www.cidades.ibge.gov.br

Jodelet, D. (2001). As representações sociais. Em D. JODELET (Ed.), As representações sociais (pp. 17-41). Rio de Janeiro: EdUERJ.

Mannheim, K. (1982). O problema sociológico das gerações. Em M. Marialice Foracchi (Ed.). Karl Mannheim: Sociologia (pp. 67-95). São Paulo: Ática.

Mascarenhas, G. (2008). Feira livre: territorialidade popular e cultura na metrópole contemporânea. Ateliê Geográfico Goiânia-GO, 2(2), 72-87.

Melo, S. P. (2013). Juventude e feiras do sertão alagoano: laços de conflitos e reprodução social. Revista Cadernos de Ciências Sociais da UFRPE. 2(3), 28-48. Recuperado de:
.http://www.journals.ufrpe.br/index.php/cadernosdecienciassociais/article/view/3 47/278

Minayo, M. C. de S. (2010). O desafio da pesquisa Social. Em M. C. de S Minayo (Ed.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade (pp.9- 29). Petrópolis: Vozes.

Nagel, B., Gonçalves, D., Rangel, P., e Peçanha, T. (2007). Os bastidores de uma feira livre: consumidores e feirantes falam sobre o velho hábito de ir à feira. Revista Eclética Cenas Urbanas, 24, 52-56. Recuperado de: http://puc-riodigital.com.puc-rio.br/media/13%20 %20os%20bastidores%20de%20uma%20feira%20livre.pdf.

Nora, P. (1993). Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, 10, 7- 28. Recuperado de: http://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/12101/8763

Pollak, M. (1992). Memória e identidade social. Revista Estudos Históricos, 5(10), 200-212. Recuperado de: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/1941/1080

Servilha, M. M. (2008). As relações de trocas materiais e simbólicas no mercado municipal de Araçuai – MG. (Dissertação de Mestrado Inédita). Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, Brasil.

Silvestre, L. H. A., Ribeiro, A. E. M. e Freitas, C. S. (2012). Subsídios para a construção de um programa público de apoio à feira livre no Vale do São Francisco, MG. Revista Organizações Rurais e Agroindustriais, 13(2), 186-200. Recuperado de: http://revista.dae.ufla.br/index.php/ora/article/view/346/316

Silvestro, M. L. et al. (2001). Os impasses da sucessão hereditária na agricultura familiar. Brasília: NEAD - Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Stropasolas, V. L. (2013). A crise da sucessão geracional e suas implicações na reprodução social da agricultura familiar. IXXIX Congresso Latinoamericano de Sociologia. Associação Latinoamericana de Sociologia, Santiago - Chile. Recuperado de: ttp://actacientifica.servicioit.cl/biblioteca/gt/GT5/GT5_StropasolasV.pdf

Vedana, V. (2013). Fazer a feira e ser feirante: a construção cotidiana do trabalho em mercados de rua no contexto urbano. Revista Horizontes Antropológicos, 19(39), 41-68. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-71832013000100003
Publicado
2017-11-01
Cómo citar
Dias Guimaraes, T., & Doula, S. (2017). Memória e identidade: o processo de sucessão e herança no Mercado Municipal de Montes Claros – MG, Brasil. Mundo Agrario, 19(40), e078. https://doi.org/10.24215/15155994e078
Sección
Artículos