Estrutura de terras e acesso a bens produtivos no Sul do Brasil: um estudo a partir do censo agropecuário de 2017

Contenido principal del artículo

Alex A. Mengel
Silvia Lima de Aquino

Resumen

O presente artigo teve como objetivo entender se uma maior ou menor disponibilidade de terras por estabelecimento é capaz de influenciar sua inserção socioprodutiva, bem como, compreender a relação entre tamanho de área do estabelecimento e sua demanda por bens e serviços de outros setores. Para tanto, foram analisadas informações disponibilizadas pelo Censo Agropecuário de 2017, realizado pelo IBGE. O recorte socioespacial para o estudo foi a Região Sul do Brasil. Foi possível constatar que os agricultores com pequena área de terras são duplamente prejudicados, primeiramente, por não terem a sua disposição a terra e os outros recursos naturais a ela associados, e, em segundo lugar, por terem o acesso limitado à bens e serviços necessários ao desenvolvimento de suas atividades.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Cómo citar
Mengel , A. A., & Aquino, S. L. de. (2022). Estrutura de terras e acesso a bens produtivos no Sul do Brasil: um estudo a partir do censo agropecuário de 2017. Mundo Agrario, 23(52), e184. https://doi.org/10.24215/15155994e184
Sección
Artículos
Biografía del autor/a

Alex A. Mengel , Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil

Doutor em Ciências Sociais pelo Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento, Agricultura e Sociadade - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ/Brasil

Doutorado Sanduíche no Rural Sociology Group - Wageningen University/Holanda

Mestre  em Ciências Sociais pelo Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento, Agricultura e Sociadade - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ/Brasil

Engenheiro Agrônomo pela Universidade Federal de Santa Maria/Brasil

Silvia Lima de Aquino, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil

Professora do Programa de Pós Graduação em Dinâmicas Regionais e Desenvolvimento, Departamento Interdisciplinar, UFRGS.

Doutora em Ciências Sociais pelo Programa de Pós Graduação em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade - CPDA/UFRRJ

Mestre em Ciências Sociais pelo Programa de Pós Graduação em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade - CPDA/UFRRJ

Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade Estadual do Norte Fluminense - UENF

Citas

Abramovay, R. (1992). Paradigmas do capitalismo agrário em questão. São Paulo- Rio de Janeiro – Campinas: Ed. HUCITEC/ANPOCS/UNICAMP.

Almeida, E. C., & Sardagna, C. D. (2000). O parcelamento do imóvel rural via fração mínima de parcelamento frente a função social da propriedade. Revista de Informação Legislativa, 37(146), 209-216. Disponível em http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/592

Alves, E.R.A., Santana, C. A. M., Contini. E. (2016). Extensão Rural: seu problema não é a comunicação. Em J. E. R. Vieira Filho; J. G, Gasques, Jo (Orgs.). Agricultura, transformação produtiva e sustentabilidade (pp. 65-86). Brasília: Ipea.

Barone, L. S., & Ferrante, V. L. S. B. (2017). Reforma agrária no Brasil do século XXI: bloqueios e ressignificações. Em C. Delgado, S. M. P. P. Bergamasco (Orgs.), Agricultura familiar brasileira: desafios e perspectivas de futuro (pp. 22-39). Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário. Disponível em http://nead.mda.gov.br/download.php?file=publicacoes/outras/agricultura_familiar_brasileira_desafios_e_perspectivas_de_futuro.pdf.

Caporal, F. R. (2014). Extensão rural como política pública: a difícil tarefa de avaliar. Em R. H. R., Sambuichi; A. P. M. da, Silva; M. A. C. De, Oliveira; M., Savian (Org.). Políticas agroambientais e sustentabilidade: desafios, oportunidades e lições aprendidas. (pp. 19-48). Brasília: IPEA.

Delgado, G. (2005). Questão Agrária Brasileira no Pós-Guerra e sua Configuração Contemporânea. Em L. O. Ramos y J. O. Aly (eds.), Questão agrária no Brasil: perspectiva histórica e configuração atual (pp 21-85). São Paulo: Incra/Embrapa.

Delgado, G. (2017). Questão agrária hoje. Em C. Delgado, S. M. P. P. Bergamasco (orgs.), Agricultura familiar brasileira: desafios e perspectivas de futuro (pp. 12-21). Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário. Disponível em http://nead.mda.gov.br/download.php?file=publicacoes/outras/agricultura_familiar_brasileira_desafios_e_perspectivas_de_futuro.pdf.

Dias, M. M. (2008). Políticas públicas de extensão rural e inovações conceituais: limites e potencialidades. Perspectivas em Políticas Públicas, 1(1), 101-114.

Hoffmann, R. (2007). Distribuição da Renda e da Posse da Terra no Brasil. En P. R. Ramos (org.), Dimensões do Agronegócio Brasileiro: Políticas, Instituições e Perspectivas (pp. 172-225). Brasília: NEAD. Disponível em https://repositorio.iica.int/bitstream/handle/11324/19778/BVE31052006041p.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Hoffmann, R. (2020). A distribuição da posse de terra no Brasil (1985-2017). Em J. E. R. V. Filho y J. G. Gasques (orgs.), Umajornada pelos contrastes do Brasil: cem anos do Censo Agropecuário (pp. 77-90). Brasília: IPEA, IBGE. Disponível em https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/livros/livros/201201_livro_uma_jornada_pelos_contrastes_do_brasil.pdf

Hoffmann, R., & Ney, M. G. (2010). Estrutura fundiária e propriedade agrícola no Brasil (1° ed.). Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2020). Atlas do espaço rural brasileiro. Rio de Janeiro: IBGE. Disponível em https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=2101773

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2019). Censo Agropecuário: resultados definitivos 2017. Rio de Janeiro: IBGE. Disponível em https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=73096

Klagsbrunn, V. H. (1996). A gênese do princípio da demanda efetiva em Keynes. Estudos Econõmicos, São Paulo, 26(n° especial), 135-163.

Lei nº 601 de 1850. Dispõe sobre as terras devolutas do Império. 18 de setembro de 1850. CLBR de 1850. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L0601-1850.htm

Lei 4.504 de 1964 Dispõe sobre o Estatuto da Terra, e dá outras providências. 30 de novembro de 1964. DOU 30.11.1964. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l4504.htm.

Lei n. 12.188 de 2010. . Institui a Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária − Pnater e o Programa Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura Familiar e na Reforma Agrária − Pronater, altera a Lei n. 8.666, de 21 de junho de 1993, e dá outras providências. Brasíl. 11 de janeiro de 2010. DOU 12.1.2010 Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12188.htm

Mazoyer, M. y Roudart, L. (2010). História das agriculturas do mundo: do neolítico à crise contemporânea. São Paulo: Editora UNESP; Brasília, DF: NEAD.

Movimento dos Trabalhadores Sem Terra - MST (2014). A luta do Acampamento Encruzilhada Natalino. Disponível em https://mst.org.br/2014/06/18/a-luta-do-acampamento-encruzilhada-natalino/

Noronha, G. S. y Falcón, M. L. O. (2018). A disputa entre modelos para o campo: apontamentos sobre a questão agrária no Brasil em busca de um novo paradigma. Saúde em Debate, 42 (n° especial 3), 183-198. https://doi.org/10.1590/0103-11042018S314

Piana, C. F. B., Machado, A. A. y Selau, L. P. R. (2009). Estatística Básica. Pelotas: UFPel.

Ramos, S. Y. y Martha Junior, G. B. (2007). Evolução da política de crédito rural brasileira. Brasília: EMBRAPA.

Wanderley, M. N. B. (2011). Um saber necessário: os estudos rurais no Brasil. Campinas: UNICAMP.

Weber, M. (1986). A “objetividade” do conhecimento nas ciências sociais. Em G. Cohn (org.), Max Weber: Sociologia (7. ed., pp 79-127). São Paulo: Ática.