Extensão rural no Brasil: uma análise da instrumentação da ação pública

Contenido principal del artículo

Daniela Aparecida Pacífico

Resumen

O presente artigo tem como objetivo analisar instrumentos, técnicas e ferramentas da ação pública no Brasil com foco na atuação da assistência técnica e extensão rural governamental e não-governamental, de 2010 a 2020. O trabalho analisou os mecanismos de funcionamento da ação pública, evidenciando-os a partir das relações que foram capazes de organizar, e das implicações durante a implementação do Plano Brasil Sem Miséria Rural (BSM-Rural). A hipótese é que a extensão rural governamental e a não-governamental ao operar instrumentos, técnicas e ferramentas elaborados para implementar o BSM-Rural contribuíram para que fossem constituídas as técnicas e as ferramentas de operacionalização da Lei de ATER, em uma orquestrada sobreposição de instrumentos e de produção de efeitos. Do ponto de vista metodológico utilizou-se de pesquisa documental, da revisão bibliográfica de literatura especializada, e da pesquisa de campo realizada em 2013/2015 e 2020/2021. O estudo tomou por base a literatura de instrumentação da ação pública de Halpern; Lascoumes; Le Galès (2014). O trabalho possibilitou compreender o movimento dos instrumentos da ação pública, as relações e os efeitos gerados na convergência de políticas públicas de enfrentamento da pobreza rural no Brasil e, sobretudo, a origem das técnicas e das ferramentas que operaram a Lei de ATER.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Cómo citar
Pacífico, D. A. (2022). Extensão rural no Brasil: uma análise da instrumentação da ação pública. Mundo Agrario, 23(52), e187. https://doi.org/10.24215/15155994e187
Sección
Artículos

Citas

Aguilera, T. (2014). Innover par les instruments?: le cas du gouvernement des squats à Paris. In Ch. Halpern, P. Lascoumes y P. L. Galès, L'instrumentation de l'action publique: controverses, résistances, effets (pp.417-444). Paris: Presses de Sciences Po.

Alves, N. B. C. (2012). Estratégias de sustentabilidade e identidade das ongs de assessoria rural num contexto contratualista. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

Anater. (2021). Chamada Pública nº 001 de 2021 para o Programa de Consolidação de Assentamentos Produzir Brasil Amazônia Legal. 2021. Brasília. http://www.anater.org/wp-content/uploads/2021/06/Chamada-001-2021.pdf. Acesso em: 01 jul. 2021.

Bacen. (2016). Banco Central Do Brasil/Conselho Monetário Nacional. MCR 584: Manual de crédito rural (MCR). Brasília, 483 p. Disponível em: <http://www3.bcb.gov.br/mcr>;. Acesso em: 03 ago. 2016.

Brasil. (2011a). Decreto nº 7492, de 02 de junho de 2011. Institui O Plano Brasil Sem Miséria.

Brasil. (2014). Decreto nº 8232, de 30 de abril de 2014. Altera O Decreto Nº 5.209, de 17 de setembro de 2004, Que Regulamenta O Programa Bolsa Família, e O Decreto Nº 7.492, de 2 de junho de 2011, Que Institui O Plano Brasil Sem Miséria.

Brasil. (2006). Lei nº 11.326 de 24 de julho de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais.

Brasil. (2011d). Ministério do Desenvolvimento Agrário. Secretaria da Agricultura Familiar. Chamada pública para seleção de entidade executora de assistência técnica e extensão rural para acompanhamento de famílias em situação de extrema pobreza. Brasília: DATER/MDA, maio de 2011, (documento digital nº 01).

BrasiL. (2011e). Ministério do Desenvolvimento Agrário. Secretaria da Agricultura Familiar. Chamada pública para seleção de entidade executora de assistência técnica e extensão rural para acompanhamento de famílias em situação de extrema pobreza. Brasília: DATER/MDA, junho de 2011e (documento digital nº 02).

Brasil. (2011f). Ministério do Desenvolvimento Agrário. Secretaria da Agricultura Familiar. Chamada pública da Diretoria de Políticas de Mulheres Rurais e Quilombolas (DPMRQ). Brasília: DMRQ/MDA, novembro de 2011f (documento digital nº 03).

Caporal, F. R. (2008). A Redescoberta da Assistência e Extensão Rural e a Implementação da PNATER: Nova Âncora para a Viabilização de Acesso a Política de Fortalecimento da Agricultura Familiar. In: 3º Encontro da Rede de Estudos Rurais, Campina Grande/PB. Tecendo o intercâmbio: diversidade e perspectiva do mundo rural no Brasil contemporâneo. Campina Grande: Rede de Estudos Rurais, 2008. v. 1. p. 9-9.

Caporal, F. R. (1998). La extensión agraria del sector público ante los desafíos del desarrollo sostenible: el caso de Rio Grande do Sul, Brasil, 532 f. Tese (Doutorado em Agronomia) – Programa de Pós-Graduação em Agroecologia, Campesinato e História, Instituto de Sociología y Estudios Campesinos – ISEC, Universidade de Córdoba, Espanha.

Caporal, F. R. y Costabeber, J. A. (2004). Agroecologia e extensão rural: contribuições para a promoção do desenvolvimento rural sustentável. Brasília: MDA/SAF/DATER - IICA.

Caporal, F. R. y Ramos, L. (2009). Da extensão rural convencional à extensão rural para o desenvolvimento sustentável: enfrentar desafios para romper a inércia. In F. R. Caporal (Coord.), Extensão Rural e Agroecologia: temas sobre um novo desenvolvimento rural, necessário e possível (pp. 156-178). Brasília.

Caporal, F. R. (2014). Extensão rural como política pública: a difícil tarefa de avaliar. In R. H. R. Sambuichi, A. P. M. Da Silva, M. A. C. De Oliveira y M. Savian (Org.), Políticas agroambientais e sustentabilidade: desafios, oportunidades e lições aprendidas (pp. 19-48). Brasília: IPEA.

Carvalho, J. C. M. (1992). O Desenvolvimento da agropecuária brasileira: da agricultura escravista ao sistema agroindustrial. Brasília: EMBRAPA.

Costa, P. V., Mafra, R. D. y Bachtold, I. V. (2014). O eixo de acesso a serviços e a ação Brasil Carinhoso do Plano Brasil Sem Miséria. In T. Campello, T. Falcão y P. V. Costa, O Brasil sem miséria (pp. 261-288). Brasília: MDS.

Delgado, G. (2001). Expansão e modernização do setor agropecuário no pós-guerra: um estudo da reflexão agrária. Estudos Avançados, São Paulo, 43(15), 157-172.

Delgado, N.; Leite, S. P. (2013). Atualização das políticas de desenvolvimento territorial no meio rural brasileiro. In C. Miranda y B. Tiburcio (Org.), Políticas de desenvolvimento territorial e enfrentamento da pobreza rural no Brasil (pp. 125-148). 19. ed. Brasília: IICA.

Dias, M. M. (2004). As ONGs e a construção de alternativas para o desenvolvimento rural: Um estudo a partir da Assessoria e Serviços a Projetos em Agricultura Alternativa (AS-PTA). Tese (Doutorado). CPDA, Universidade Federal Rural Do Rio De Janeiro, Rio de Janeiro.

Dias, M. M. (2008). Políticas públicas de extensão rural e inovações conceituais: limites e potencialidades. Revista Perspectivas em Políticas Públicas, Belo Horizonte, 1(1), jun./dez.

Diesel, V., Dias, M. M. y Neumann, P. (2015). PNATER (2004-2014): da concepção à materialização. In C. Grisa, C. y S. Schneider (Org.), Políticas públicas de desenvolvimento rural no Brasil (pp. 107-128). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Diesel, V., Dias, M. M. y Neumann, P. S. (2015). Pnater (2004-2014): da concepção à materialização. In C. Grisa y S. Schneider (Org.), Políticas públicas de desenvolvimento rural no Brasil. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Diniz, R. F. (2018). Diálogo de saberes ou monólogo do conhecimento?: ação extensionista e políticas de desenvolvimento rural no Vale do Jequitinhonha mineiro. (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Geografia da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista, campus de Presidente Prudente, para obtenção do Título de Doutor em Geografia.

Diniz, R. F. y Hespanhol, A. N. (2018). Da ABCAR à ANATER: trajetória e desafios da extensão rural para o Desenvolvimento Rural Sustentável no Brasil. Acessado em http://www2.fct.unesp.br/nivaldo/Publica%E7%F5es-nivaldo/2014/ARTIGO%20ENG-2014-ATER.pdf

Diniz, R. F. y Hespanhol, A. N. (2018). Reestruturação, reorientação e renovação do serviço extensionista no Brasil: a (difícil) implementação da política nacional de assistência técnica e extensão rural (PNATER). Extensão Rural, DEAER – CCR – UFSM, Santa Maria, 25(2), abr./jun.

Falcão, T. y Costa, P. V. (2014). A linha de extrema pobreza e o público-alvo do Plano Brasil Sem Miséria: In T. Campello, T. Falcão y P. V. Costa, O Brasil sem miséria. Brasília: MDS.

Fonseca, M. T. L. (1985). A Extensão Rural no Brasil, um projeto educativo para o capital. São Paulo: Edições Loyola, Coleção Educação Popular no 3.

Freire, P. (1983). Extensão ou Comunicação. 7ª ed. Tradução de Rosisca Darcy de Oliveira. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Título original: Extención o Comunicación?

Gonçalves Neto, W. (1997). Estado e agricultura no Brasil: política agrícola e modernização econômica brasileira – 1960–1980. São Paulo: HUCITEC.

Gregolin, A. (1997). Descentralização e municipalização: o caso da assistência técnica e extensão rural em Santa Catarina. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Grisa, C. (2012). Políticas públicas para a agricultura familiar no Brasil: produção e institucionalização das ideias. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade/UFRRJ.

Haddad, A. E. et al. (2014). O Brasil Carinhoso e as políticas locais de desenvolvimento infantil: o caso do município de São Paulo com o programa São Paulo carinhosa. In T. Campello, T. Falcão y P. V. Costa, O Brasil sem miséria (pp. 583-602). Brasília: MDS.

Halpern, Ch., P. Lascoumes y Galès, P. L. (2014). L'instrumentation de l'action publique: controverses, résistances, effets. Paris: Presses de Sciences Po.

Haverroth, C. (2012). Extensão rural pública: métodos, possibilidades e limites para a transição agroecológica no oeste catarinense. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

Hespanhol, A. N. (1997). Políticas Públicas, modernização e crise da agricultura brasileira. Faz Ciência, Francisco Beltrão, 1(1), 38-49.

Lascoumes, P. y Galès, P. L. (2004). Gouverner par les instrument. Paris: Presses de Sciences Po. (Collection académique).

Lascoumes, P. y Galès, P. L. (2012). Sociologia da ação pública. Maceió: EDUFAL.

Leite, S. P. (2019). Dinâmicas de terras, expansão do agronegócio e financeirização da agricultura: por uma sociologia das transformações agrárias. Revista Latinoamericana de Estudios Rurales, 4, 1-22.

Lorrain, D. (1998). Administrer, gouverner, réguler. Les Annales de la recherche urbaine, 80-81, 85-92

MDA. (2010). Apresentação do Plano Brasil Sem Miséria Rural. Brasília: DATER/SAF/MDA. (Curso de capacitação de extensionista, Janaúba/MG, set./2011).

MDA. (2011). Lei nº 12.512, de 14 de outubro de 2011. O Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais. Brasília, DF, 17 out. 2011.

MDA. (2014). Manual de agente emissor de declaração de aptidão ao Pronaf. Brasília: SAF/MDA.

Medeiros, F. M. (2017). Convênios Públicos e seus Regimentos Jurídicos. São Paulo: FMM.

Melo, J., et al, (2015). A inclusão produtiva rural do Brasil Sem Miséria: estratégias e primeiros resultados. In: Melo, Janine. A inclusão produtiva rural no Brasil Sem Miséria: o desafio da superação da pobreza no campo. 23. ed. Brasília: MDS, Cap. 5. p. 87-103. Cadernos de Estudos Desenvolvimento Social em Debate.

Mussoi, E. M. (2011). Política de Extensión Rural Agroecológica en Brasil: avances y desafíos en la transición de las instituciones oficiales. (Post Doctorado en Extensión Agroecológica). Universidad Internacional de Andalucía, Universidad de Córdoba e Universidade Federal de Santa Catarina.

Pacifico, D. A. (2016). A territorialização da ação pública: de traduções e de controvérsias na análise do Plano Brasil Sem Miséria Rural. (Tese de doutorado). UFRRJ.

Pacífico, D. A. (2015). Território e pobreza: uma leitura histórica do espaço geográfico e da inscrição da pobreza rural. Revista Desenvolvimento Social, 14, 139-151.

Peixoto, M. (2014). Mudanças e desafios da extensão rural no Brasil e no mundo. In A. M. Buainain, E. Alves, J. M. Da Silveira y Z. Navarro (Ed. Técnicos), O mundo rural no Brasil do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola (pp. 893-924). Brasília: EMBRAPA.

Peixoto, M. (2009). A Extensão Privada e a Privatização da Extensão: uma Análise da Indústria de Defensivos Agrícolas. Tese (Doutorado) - Universidade Federal Rural Do Rio De Janeiro, Rio de Janeiro.

Peixoto, M. (2008). Extensão Rural no Brasil – uma abordagem histórica da legislação. Brasília: Consultoria Legislativa do Senado Federal. Textos para Discussão, 48, 1-40.

Leite, S. P. (2015). Politiques publiques et agribusiness: une analyse de la politique denancement agricole actuelle du Brésil. Géographie, Economie, Société, 17, 433-458.

Pettan, K. B. (2010). A Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural: percepções e tendências. (Tese Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP.

Pörsch, J., Grisa, C. y Kubo, R. (2018) Trajetória de construção da chamada pública de assistência técnica e extensão rural indígena. Extensão Rural, DEAER – CCR – UFSM, Santa Maria, 25(3), jul./set.

Prado, E. (2001). Fundamentos da crise da Extensão Rural no Brasil. (Tese Doutorado) - Universidade Federal De Minas Gerais, Belo Horizonte.

Queda, O. (1987). A Extensão Rural no Brasil: da anunciação ao milagre da modernização agrícola. (Tese de Livre Docencia). Piracicaba: ESALQ/USP.

Rambo, J. R.; Diniz, R. F.; Hespanhol, A. N.; Sant’ana, A .L. (2015). Políticas públicas de extensão rural no Brasil contemporâneo: avanços e desafios à construção do desenvolvimento rural sustentável nos Estados de Minas Gerais e Mato Grosso. In: Congresso Da Sober, 53, João Pessoa, PB. Anais... João Pessoa: UFPB, 2015.p.1-15.

Rodrigues, C.M. (1997). Conceito de Seletividade de Políticas Públicas e sua Aplicação no Contexto da Política de Extensão Rural no Brasil. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, 14(1), 113-154.

Santana, E P. (2011). As práticas da extensão rural no processo de modernização da agricultura: produtores familiares goianos e a questão ambiental (1975-2008). (Tese Doutorado) - Universidade Federal De Goiás, Goiânia.

Schröder, M.; Camboim, I. (2015). Combate à pobreza e políticas públicas: inovação institucional no desenho e nos processos que sustentam o fomento produtivo a agricultores familiares pobres. In: J. Melo A inclusão produtiva rural no Brasil Sem Miséria: o desafio da superação da pobreza no campo (pp. 17-31). 23. ed. Brasília: MDS. Cadernos de Estudos Desenvolvimento Social em Debate.

Souza, N.A. et. al. (2017). Os núcleos de agroecologia: caminhos e desafios na indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. In R. H. R. Sambuichi... et. al. A política nacional de agroecologia e produção orgânica no Brasil: uma trajetória de luta pelo desenvolvimento rural sustentável. Brasília: Ipea.

Souza, J.R.F. de. (2006). A Extensão Oficial no Brasil: uma avaliação diagnóstica. O caso do Nordeste. In Congresso Latinoamericano De Sociologia Rural, 7, 2006, Quito, Equador. Anais... (pp. 1-18). Quito: ALASRU.

Tavares, J. R. y Ramos, L. (Org.). (2006). Assistência Técnica e Extensão Rural: construindo o conhecimento agroecológico (pp. 9-34). Manaus: Instituto de Desenvolvimento Agropecuário do Amazonas – IDAM.

Zarnott, A. V.; Dalbianco, V. P.; Neümann, P. S.; Fialho, M. A. V. (2015). Avanços e retrocessos nas políticas de extensão rural: análise crítica sobre a ANATER. In Congresso Da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural. João Pessoa/PB. Anais SOBER, p.1-20.

Zarnott, A. V.; Dalbianco, V. P.; Neumann, P. S.; Fialho, M. A. V. (2017). Avanços e retrocessos na política de extensão rural brasileira: análise crítica sobre a ANATER. Rev. Fac. Agron. La Plata, 116 (Número especial) Extensión Rural, 107-119.