Inovação, conhecimento e aprendizagem: um estudo sobre Arranjos Produtivos Locais de erva-mate no sul do Brasil

  • Leticia Andrea Chechi Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), (Brasil)
  • Glauco Schultz

Resumen

O objetivo deste estudo é analisar a dinâmica inovativa de arranjos produtivos locais de erva-mate no sul do Brasil, a partir dos processos de aprendizado, tipos de conhecimento e relações de interação estabelecidas entre os atores. Foram definidos dois arranjos produtivos, compreendendo três municípios cada, sendo um denominado Arranjo produtivo RS, e outro Arranjo PR e SC. Foi possível compreender que a dinâmica inovativa nos arranjos produtivos estudados, respeitando as suas especificidades, é influenciada principalmente pelo processo de aprendizado por interação, através do estabelecimento de relações entre agentes locais e o compartilhamento do conhecimento tácito dos mesmos.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

ARROW, K. (2015). The economic implications of learning by doing. Review of Economic Studies, Oxford, n. 29, p. 155-173, 1962. Disponível em: . Acesso em: 13 out.

BECATTINI, G. (1990). The Marshallian industrial district as a socio-economic notion. In: PYKE, F.; BECATTINI, G.; SENGENBERGER, W. (Ed.) Industrial districts and interfirm cooperation in Italy, 37-51. Geneva: International Institute for Labour Studies.

BRUSCO, S. (1990). The idea of the industrial districts: its genesis. In: PYKE, F. et al. Industrial districts and inter-firm cooperation in Italy, 10-19. Geneva: International Institute for Labour Studies.

CASSIOLATO, J. E.; CAMPOS, R. R.; STALLIVIERI, F. (2007). Processos de aprendizagem e inovação em setores tradicionais: os Arranjos Produtivos Locais de confecções no Brasil. Economia, Brasília, v. 7, n. 3, 477-502. Disponível em: . Acesso em: 13 out. 2017.

CASSIOLATO, J. E. (1992). The role of user-producer relations in innovation and diffusion of new Technologies: lessons from Brazil. 288 f. Thesis (Doctorate in Philosophy) - Science Policy Research Unit, University of Sussex, Brighton.

CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M. (2003). O foco em arranjos produtivos e inovativos locais de micro e pequenas empresas. In: LASTRES, H. M. M. et al. (Ed.) Pequena empresa: cooperação e desenvolvimento local. 21-34. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

COSTA, M. E. C. da. (2007). O arranjo produtivo de calçados em Juazeiro do Norte: um estudo de caso para o estado do Ceará. 271 f. Tese (Doutorado em Economia) – Programa de Pós-Graduação em Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

COURLET, C. (1993). Novas dinâmicas de desenvolvimento e Sistemas Industri¬ais Localizados (SIL). Ensaios FEE, v. 14, n. 1, 9-25. Porto Alegre.

DOSI, G. (1988). The nature of the innovative process in Dosi. In: DOSI, G. et al. (Org.). Technical change and economic theory, 221-238. London: Pinter Publishers.

EDQUIST, C. (Ed.). (1997). Systems of innovation: technologies, institutions, and organizations. London: Pinter.

FREEMAN, C. Introduction. In: DOSI, G. et al. (Org.). (1988). Technical change and economic theory, 1-8. London: Pinter Publishers.

FREEMAN, C. (1996). Innovation and growth. In.: DODGSON, M.; ROTHWELL, R. (Ed.). The handbook of industrial innovation, 78-93. Cheltenham: Edward Elgar.

GIL, A. C. (2007). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. (2010). Censo demográfico, 2010. Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA- IBGE. (2014). Produção agrícola municipal, 2014. Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2017.

LAM, A. (1998). Tacit knowledge, organizational learning and innovation: a societal perspective, 98-122. Florence. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2017.

LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E. (2005). Innovation systems and local productive arrangements: new strategies to promote the generation, acquisition and diffusion of knowledge. Innovation: Management, Policy & Practice, [S.l.], v. 7, n. 2-3.

LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E.; MACIEL, M. L. (2003). Systems of innovation for development in the knowledge era. In: CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M.; MACIEL, M. L. (Org.). Systems of innovation and development: evidence from Brazil, 1-36. Cheltenham: Edward Elgar.

LASTRES, H. M. M.; LEMOS, C.; VARGAS, M. (2000). Novas políticas na economia do conhecimento e do aprendizado. Nota Técnica 25, Bloco 3. In: CASSIOLATO, J.; LASTRES, H. (Org.). Arranjos e sistemas produtivos locais e as novas políticas de desenvolvimento industrial e tecnológico. Rio de Janeiro: IE/UFRJ.

LEMOS, C. (1997). Notas preliminares do projeto arranjos locais e capacidade inovativa em contexto crescentemente globalizado. Rio de Janeiro: IE/UFRJ.

LEMOS, C. (1999). Inovação na era do conhecimento. In: LASTRES, H. M. M.; ALBAGLI, S. Informação e globalização na era do conhecimento, 122-144. Rio de Janeiro.

LUNDVALL, B. (1988). Innovation as an interactive process: from user-producer interaction to the national system of innovation. In: DOSI, G. et al. (Org.). Technical change and economic theory, 349-369. London: Pinter.

LUNDVALL, B. (1995). National systems of innovation: towards a theory of innovation and interactive learning. London: Pinter.

LUNDVALL, B. (1996). The social dimension of the learning economy. Florence. Disponível em . Acesso em: 21 out. 2017.

MALERBA, F. (1992) Learning by firms and incremental technical change. The Economic Journal, v. 102, n. 413, 845-859. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2017.

MYTELKA, L. (1993). A role for innovation networking in the other ‘two-thirds’. Futures, v. 25, n. 6, 694-712. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2015.

NELSON, R. R. (2006). As fontes do crescimento econômico. Campinas: Editora da Unicamp.

PADILHA, A. D. G. (2007). Antioxidante natural de erva-mate na conservação da carne de frango in vivo. 97 f. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos) - Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

PORTER, M. E. (1999). Competição – on competition: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus.

ROSENBERG, N. (1982). Lerning by using. In: ROSENBERG, N. Inside de black box: technology and economics, 120-140. Cambridge University Press.

SCHMITZ, H. (1995). Collective efficiency: growth path for small-scalle industry. The Journal of Development Studies, v. 31, n. 4, p. 529-566. London.

SCHMITZ, H. (1989). Pequenas empresas e especialização flexível em países menos desenvolvidos. São Paulo: FEA/USP.

WIBE, M. D.; NARULA, R. (2001). Interactive learning in an innovation system: the case of Norwegian software companies. Maastricht. (MERIT – Infonomics Research Memorando Series, 2001-040). Disponível em: . Acesso em: 21 out. 2017.

YOGUEL, G. (1998). Desarrollo del proceso de aprendizaje de las firmas: los espacios locales y las tramas productivas. Mangaratiba. (Nota Técnica, 34/99). Disponível em . Acesso em: 10 out. 2017.
Publicado
2019-04-05
Cómo citar
Chechi, L., & Schultz, G. (2019). Inovação, conhecimento e aprendizagem: um estudo sobre Arranjos Produtivos Locais de erva-mate no sul do Brasil. Mundo Agrario, 20(43), e108. https://doi.org/10.24215/15155994e108
Sección
Artículos