Processos de resistência de mulheres camponesas: olhares pela perspectiva decolonial

  • Renata Borges Kempf UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, (Brasil)
  • Josiane Carine Wedig Universidade Tecnológica Federal do Paraná, (Brasil)

Resumen

Este artigo aborda as dinâmicas de organização de mulheres camponesas, observando como elas, em contextos específicos, constroem ações coletivas que produzem mudanças nas relações de poder e de opressão. A análise, orientada pela perspectiva decolonial, é um estudo de caso em uma agroindústria familiar no município de Pranchita-PR. As mulheres camponesas vivenciam situações que as diferenciam das mulheres urbanas e também dos camponeses (homens). Como parte de ambas as categorias (mulher e camponês), elas sofrem duplamente os efeitos da modernidade e da colonização. Dessa maneira, o objeto do artigo se encontra na intersecção de ambas as categorias - mulher camponesa.

Palabras clave:

Mulheres camponesas, Perspectiva decolonial, Agroindústria familiar

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Bordalo, C. A. (2016). Desenvolvimento, Campesinato e Feminismo na América Latina: uma análise das formas de representação política no campo brasileiro. 40º Encontro Anual da ANPOCS, Caxambu-MG.

Brumer, A. (2004). Gênero e agricultura: a situação da mulher na agricultura do Rio Grande do Sul. Estudos Feministas, 12(1), 205-227.

Brumer, A. (2008). Gênero e reprodução social na agricultura familiar, Revista NERA, 11(12), 6-17.

Carneiro, S. (2003). Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. Em Ashoka Empreendimentos Sociais e Takano Cidadania (Orgs.), Racismos contemporâneos (pp. 49-58). Rio de Janeiro: Takano Editora.

Chayanov, A. V. (1974). La organización de la unidad económica campesina. Argentina: Nueva Visión.

Deere, C. D., y Léon, M. (2003). Diferenças de gênero em relação a bens: a propriedade fundiária na América Latina. Revista Sociologias, 5(10), 100-153.

Ellis, F. (2000). Rural livelihoods and diversity in developing countries. Oxford: Oxford University Press.

Haas, J. M. (2008). Diversificação de produção no meio rural como estratégia de sobrevivência: um estudo de caso da região Noroeste do Rio Grande do Sul. IV Encontro Nacional da ANPPS, Brasília.

Kempf, R. B. (2014). Análise de gênero e autonomia financeira na agricultura familiar através do programa “gênero e geração” (Dissertação de mestrado), Universidade Estadual do Centro-Oeste, Faculdade de Ciências Econômicas, Guarapuava, Brasil.

Latour, B. (1994). Jamais fomos modernos. Rio de Janeiro: Editora 34.

Lugones, M. (2008). Coloniality and gender. Tabula rasa, (9), 73-102.

Lugones, M. (2014). Rumo a um feminismo descolonial. Estudos feministas, 22(3), 935-952.

Masson, S. (2011). Sexo/género, clase, raza: feminismo descolonial frente a la globalización: Reflexiones inspiradas a partir de la lucha de las mujeres indígenas en Chiapas. Andamios, 8(17), 145-177.

Paulilo, M. I. (1987). O peso do trabalho leve. Revista Ciência Hoje. 5(28), 64-70.

Paulilo, M. I. (2004). Trabalho familiar: uma categoria esquecida de análise. Revista Estudos Feministas. 12(1) 229-252.

Paulilo, M. I., e Schmidt, W. (2003). Agricultura e espaço rural em Santa Catarina. Florianópolis: Editora UFSC.

Quijano, A. (2005). Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. (2000). Em E. Lander (Org.), La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas Latinoamericanas (pp. 201-246). Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales.

Quijano, A. (2015). Colonialidad del poder y clasificación social. Contextualizaciones Latinoamericanas, (5). [pp. 342-386]

Schneider, S. (2003). A pluriatividade na agricultura familiar. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Segato, R. L. (2012). Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico descolonial. E-cadernos ces, (18), 106-131.

Silva, C. B. (2009a). Pluriatividade e relações de gênero na agricultura familiar do Rio Grande do Sul (Dissertação de Mestrado), Universidade Federal do Rio Grande só Sul, Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Porto Alegre, Brasil.

Silva, M. A. D. (2009b). Cozinha: espaço de relações sociais. Revista Iluminuras- [n.23, v. 10, s/p] Publicação Eletrônica do Banco de Imagens e Efeitos Visuais.

Silva, C. B. D. C., e Schneider, S. (2010). Gênero, trabalho rural e pluriatividade. Em P. Scott, R. Cordeiro e M. Menezes (Org.), Gênero e geração em contextos rurais (pp. 183-208). Florianópolis: Ed. Mulheres.

Simep. Paraná 12 meses, Disponível em: http://www.simep.seab.pr.gov.br/pr12meses/, Acesso em: 20/12/2016

Mohanty, C. (2008). Bajo los ojos de Occidente. Academia Feminista y discurso colonial. Em L. Suarez e R. Hernandez [eds], Descolonizando el feminismo: teorías y prácticas desde los márgenes (pp. 117-163). Madrid: Editora Cátedra.

Wallerstein, I. (2001). Capitalismo histórico e civilização capitalista. Rio de Janeiro: Editora Contraponto.

Walsh, C. (2009). Interculturalidade Crítica e Pedagogia Decolonial: in-surgir, re-existir y re-vivir. Em V. M. Candau (Org.), Educação Intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas (pp. 12-43).Rio de Janeiro: 7 Letras.

Wanderley, M. N. (2003). Agricultura familiar e campesinato: rupturas e continuidade. Estudos sociedade e agricultura, 21, 42-61.

Wedig, J. C. (2009). Agricultoras e agricultores à mesa: um estudo sobre campesinato e gênero a partir da antropologia da alimentação (Dissertação de Mestrado), Universidade Federal do Rio Grande só Sul, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, Porto Alegre, Brasil.
Publicado
2019-04-05
Cómo citar
Kempf, R., & Wedig, J. (2019). Processos de resistência de mulheres camponesas: olhares pela perspectiva decolonial. Mundo Agrario, 20(43), e111. https://doi.org/10.24215/15155994e111
Sección
Comunicaciones